01.01.2017

01.01.2018 09:26

Eu não errei a data. É que aproveito ser a primeira a acordar e decido organizar uns pensamentos repentinos (coisa de virada de ano, imagino). Não consigo supor o que passava pela minha cabeça há um ano exatamente, no primeiro dia de 2017 em que acordei. Parece que estou falando de outra pessoa. Procurarei por cadernos, e devo encontrar alguma coisa; mas, é estranho, ser como se fosse outro alguém… Alguém que seria bom poder contatar e, mesmo que não nos fosse permitido dar umas dicas que poderiam alterar terrivelmente a linha do tempo, só dividir umas divagações. Eu sei que eu daria umas dicas para aquela pessoa. Eu sinceramente acho que mudei para melhor e nunca me percebi chegando a essa conclusão tão importante. Pensei em escrever esse texto listando as mudanças que essa pessoa em janeiro de 2017 poderia tentar, mas decidi fazê-lo com as que eu de fato tentei e penso ter realizado. Eu fui mais honesta com a minha natureza, abracei pessoas sem esforço, disse a verdade, ganhei dinheiro sozinha, dirigi carros, escrevi consideravelmente sobre mim, terminei o colégio, voltei a pintar, pensei no futuro, amei minha irmãs, compartilhei conhecimentos enquanto cuidava de Maria, li muito, bebi cerveja, me dei a honra de chorar sem motivo aparente, e por aí vão uns tantos pequenos momentos importantes que aos poucos me recordo. O que quer que esse calendário que usamos represente, eu realmente acho que vou me sair ainda melhor em 2018. Caso, dentro de um ano, eu precise de alguma nota, deixo uma recomendação: seria bom um pouco menos de seriedade e um pouco mais de coragem para as coisas inéditas. Sorte. Tomara.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.