Vamos falar sobre criatividade

Criativo eu não sou, pois criativo precisa ser criativo. E pra ser criativo eu devo ser criativo, logo criativo eu não sou, pois criativo eu deveria ser…

Criativo, caro gafanhoto, você deve ser!

Acredito que criatividade é um processo subjetivo que pode desabrochar-se pela interferência do mundo que não é o seu. Para falar mais a nossa língua: a criatividade pode ser despertada através de um simples “bom dia”. Porém, a criatividade é acompanhada de algum sentimento, tal pelo qual esse possível “bom dia” também é recheado de sentimentos.

A criatividade não é uma Caixa de Pandora, mas pode ser. A criatividade é tudo o que você quer que ela seja. Ela é sua para ser usada. E isso significa que você pode transformar-se a qualquer momento.

A felicidade é um belo sentimento, acredito que todos concordamos com isso. E a felicidade é uma bela potência para desabrochar pensamentos que podem revolucionar o mundo, como este (a notícia é antiga, mas o projeto continua): Projeto utiliza cães de rua para ajudar na terapia de idosos esquecidos em asilos.

Ou aquele trabalho de artes que, talvez, por mais que possa ser uma aula chata ou incrível, você resolve se abrir e explorar o seu subconsciente para, simplesmente, desenhar. E o que você desenha? Ah, meu querido, você desenha TUDO! Um risco pode significar muita coisa, vai depender dos olhos de quem vê. E este mesmo desenho é consagrado o melhor da classe e o aluno, que antes passava por um momento difícil, encontrou um motivo para sorrir.

E se não por isso, seja por aqueles cachos que encantou-lhe o olhar em uma manhã taciturna. Ou por aquele amigo(a) cabisbaixo que demorou para entrar na sala de aula, pois limpar o rosto de lágrimas não é nada fácil. Por fim, se não por um amigo ou por um amiga, seja criativo por você mesmo.

Existe um ponto minúsculo na sua cabeça que é a porta para um universo incrivelmente enorme. Seja sugado por você mesmo e descubra o melhor que você tem a oferecer-se, ou a oferecer ao mundo. Então, caro amigo, nunca despreze uma fagulha de criatividade. Em questões de segundos você pode fazer uma descoberta incrível.

Mas também há momentos tristes, admito. Eles podem até ser mais frequentes, o que pode resultar em um estado caótico. O desanimo, a preguiça ou qualquer outro fator pode fazer com que você seja aquele amigo cabisbaixo. Claro que nem sempre podemos contar com os nossos amigos. Nessas horas a barra é enfrentada por você mesmo sozinho. E não há nada mais justo. De qualquer forma, todo tombo é um aprendizado. Momentos tristes podem ser inspirações para grandes romances, grandes roteiros ou grandes negócios. Mas a dor é cruel. E se você encontrar alguém em um estado assim, saiba que aquele “bom dia” é super bem vindo.

De qualquer forma a criatividade é relativa. Como todo o nosso universo. O que é engraçado, pois se há 6~7 bilhões de pessoas na Terra, saiba que há 6~7 bilhões de universos. Logo, não há o que julgar, há o que se aprender.

Então, seria a criatividade um processo de aprendizado? Eu não faço a mínima ideia, mas você, meu querido, seja criativo na sua resposta! As respostas do seu universo é de total exclusividade da sua pessoa. Ser criativo não é característica de um. ISSO EU GARANTO! A criatividade é de todos nós. A criatividade é minha, é sua, é dele, é dela. Basta busca-la.

Aliás, desejo-lhe um sincero bom dia!

Like what you read? Give Luther F. Azi a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.