querer e querer mesmo

assisti uma entrevista com a Martha Medeiros na qual ela dizia que alguém dizia que existe uma grande diferença entre querer e querer mesmo, e que quando ela quer mesmo alguma coisa, não há cristão que a impeça de conseguir.
fiquei pensando nisso e comigo acontece exatamente igual. na verdade, acredito que com todo mundo aconteça exatamente igual. quando a gente quer alguma coisa, a gente faz disso um plano abstrato pra algum futuro não definido. tudo o que a gente só quer fica no campo dos nossos desejos parados, e quem sabe algum dia a gente realize ou não, tomara que sim, quem pode saber. mas quando a gente quer mesmo alguma coisa é quando a gente sai em busca, levanta do sofá, acorda bem mais cedo, dorme bem mais tarde, fica sem dormir, perde a vergonha, move montanhas, e só para quando conseguir.
então, nesse Natal e nesse final de ano, o meu desejo pra todos nós é que a gente queira mesmo. que cada um queira mesmo ser uma pessoa melhor, mais tolerante, mais gentil. que a gente queira mesmo aumentar o nível de paciência com nossa famíla, com nossos amigos, com nossos colegas de trabalho. que a gente queira mesmo se engajar em projetos sociais, ajudar o próximo, pensar no próximo, se colocar no lugar do próximo. que a gente queira mesmo cuidar mais da nossa saúde, fazer exames periódicos, levar uma alimentação mais saudável — e nem por isso menos gostosa. que a gente queira mesmo tirar nossos sonhos do papel, seja quais forem eles e sem se importar com o quão amarelado esteja esse papel. que a gente queira mesmo assumir a responsabilidade de fazer do nosso mundo, do nosso país, do nosso estado, da nossa cidade, do nosso bairro, da nossa rua, da nossa casa, do nosso quarto um lugar melhor. que a gente queira mesmo um 2016 de boas mudanças, pra nós, pros nossos e pra todo mundo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.