CONCEPT — abrindo a caixa preta da nossa metodologia de music branding.

Para conectar a identidade da marca com a trilha sonora, desenvolvemos uma metodologia própria, que chamamos carinhosamente de Concept.

_

É comum acharmos que as preferências musicais revelam algo sobre a personalidade humana. Afinal, é fato que as pessoas usam música para transmitir informações sobre si mesmas para outros, mas também para ler informações dos outros.

Essa grande importância dada ao gosto e às preferências musicais significa que as marcas também podem se utilizar disso para alcançar o público desejado através da sua própria identidade musical, fazendo com que a música seja parte importante do seu branding.

Em um momento onde as marcas se tornam cada vez mais comoditizadas, criar uma forte conexão através da identidade musical pode ser o diferencial para que o cliente se sinta representado e escolha que produto consumir. Muitos estudos indicam que esse aspecto oferece um grande potencial de retorno para todos os tipos de negócio.

Para conectar a identidade da marca com a trilha sonora, desenvolvemos uma metodologia própria, que chamamos de Concept. Dessa forma, temos uma visão 360º do universo da marca e entregamos uma estratégia de music branding muito mais completa, indo além apenas da trilha para o ponto de venda.

Mas como funciona essa metodologia? Existem alguns estágios, pilares e ferramentas essenciais para que o Concept funcione perfeitamente, e é isso que queremos mostrar nesse texto. Ou seja, senta que lá vem história :)


Pesquisa x Curadoria

Nossa pesquisa começa bem antes de a gente saber quem é o cliente para o qual estamos fazendo a curadoria musical. Isso porque pesquisa e curadoria são duas coisas diferentes.

Pesquisa é o que a gente faz todo dia. São as referências e músicas que pesquisamos o tempo inteiro. Curadoria é a evolução da pesquisa diária. É o processo de escolher dentro da sua pesquisa macro, o que vai para a playlist do cliente.


O ideal x O que funciona

Muitas vezes o que achamos ideal conceitualmente, não é o que funciona no dia a dia da loja. Aqui entra a empatia, o feeling e o bom senso para identificar essas questões e criar a playlist que tenha identidade e, ao mesmo tempo, supra as necessidades do ponto de venda.

Para que isso aconteça, é essencial a etapa em que conversamos com quem faz o dia a dia da marca acontecer: o time de vendas.

Esse papo serve para descobrir qual é o ritmo da loja, pois normalmente eles sabem informar melhor como é o clima no dia a dia, horário de pico, quando a loja precisa tocar músicas mais agitadas, mais calmas, etc. Eles também costumam ter uma ótima percepção sobre quem é a persona da marca.

Quando possível, conversamos com o público também, para entender os seus gostos e a forma como se relacionam com música no dia a dia. Dessas conversas, sempre extraímos insights maravilhosos sobre o que acreditam que funciona na loja, o que gostariam de ouvir e como gostariam de se sentir na loja, sempre anotando as verbalizações.

Em clientes de grande porte, o trabalho de pesquisa se divide em dois momentos: um questionário online e um grupo focal.

"Coloquei MPB na loja hoje e trabalhei mil vezes mais feliz."

Aspas tiradas de uma das nossas pesquisas de Concept.


Diagrama de Afinidades

Essa é a etapa em que escrevemos as principais palavras e conceitos que surgiram nas respostas do questionário, anotações da reunião com o cliente, verbalizações dos funcionários e público e as agrupamos em um Diagrama de Afinidades.

Com base nos conceitos de afinidade, similaridade, dependência ou proximidade, geramos um material que contém as macro áreas que delimitam o tema trabalhado, suas subdivisões e interdependências, a fim de identificar conexões entre temas relevantes para a definição da identidade musical da marca.


Os Mood Maps

Para compreender melhor o que estamos descobrindo ao longo de todo esse processo, jogamos insights, quotes, anotações, palavras-chave, artistas, referências e tudo que conseguimos juntar até agora sobre a marca em dois mood maps essenciais para a construção do Concept.

1) Miller Mood Map

O Miller Mood Map é uma matriz que dividimos em 2 eixos: Energia [Calmo/Energético] e Humor [Obscuro/Ensolarado ], onde são colocados todos os tipos de inputs, tags, palavras, músicas e imagens que irão nortear a criação dos moods/playlists da marca.

2) Equilibrium Mood Map

O Equilibrium Mood Map é também uma matriz com 2 eixos dividida entre Tempo [Novidades/Clássicos] e Popularidade [Popular/Desconhecido], onde colocamos o maior número de artistas para conseguir encontrar o equilíbrio ideal para a playlist de acordo com as necessidades do cliente.

Esse mapa também ajuda a evitar que a playlist fique com alguma predominância indesejada de músicas muito conhecidas/desconhecidas ou músicas muito velhas/novidades.

3) Estéticas sonoras predominantes

Depois de mapas e mais mapas, definimos ao menos 4 estéticas sonoras que irão predominar na playlist do cliente com base nos insights e pesquisas anteriores. Normalmente a identidade sonora de uma marca tem bem mais estéticas, mas partimos sempre de 4 ou 5 principais que irão nortear a identidade.

Dentro destas estéticas, identificamos os 10 principais artistas e suas conexões que irão compor o universo musical da marca.

Muitas vezes, o cliente desconhece alguns destes artistas e precisa ter um embasamento do porquê fazermos tais escolhas. Isso ajuda o cliente a perceber e compreender o que vai tocar em seu estabelecimento sem necessariamente precisar aprovar música por música.

Esse top 10 é um guia que deve estar em constante revisão de acordo com os lançamentos e a relevância dos artistas na cena musical atual.


A playlist de 70 horas

Depois de agrupar todas as informações e definir as palavras-chaves, os moods/playlists do cliente, estéticas sonoras e principais artistas, estamos munidos de inspiração (e informação) para criar uma playlist de, no mínimo, 70 horas.


Apresentação do Concept

Com a playlist finalizada, é preciso colocar em uma apresentação todo o processo de criação e os insights que surgiram durante o agrupamento das informações para a criação da playlist.

Esse modelo contém: com quem falamos, o que identificamos, verbalizações, diagrama de afinidades (KeyWords), Miller Mood Map (Blocos Musicais), estéticas sonoras, top 10 artistas e conexões, horário das playlists e o music map que é o resumão da entrega.


Quem achava que curadoria musical é basicamente escolher algumas músicas que a gente gosta, jogar numa playlist e partir pro abraço, agora viu que o processo é um pouco mais complexo que isso, né? :)

É claro que estamos aqui por causa da paixão pela música, mas é preciso dedicar um bom tempo também para entender e desenvolver a conexão que essas músicas tem com a marca e o impacto disso no desempenho dos nossos clientes.

Afinal, não é apenas música, é music branding.

Esperamos que esse texto tenha ajudado a entender um pouco melhor como funciona nosso processo de curadoria. Se quiser conhecer ainda mais do nosso trabalho, é só acessar nosso site. Lá tem um monte informações e cases legais. Que tal ter um concept da sua marca também?

Esperamos seu email :) Ate a próxima!


somos bananas

uma agência de music branding especializada em curadoria e conteúdo musical para marcas e a primeira empresa brasileira a criar estratégias para marcas no Spotify.

Conheça o nosso site ou entre em contato pelo Facebook ou Instagram.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade