Estado de bem-estar social

caridade obrigatória não é caridade

Qualquer proposta de convivência social que entre em conflito com ela mesma deve ser entendida como uma proposta falha.

O imposto serve para ajudar?

Se assim fosse, no ato de “contribuir” com o imposto, o indivíduo que “contribuiu” teria de, necessariamente e sempre, obter o benefício da ajuda de forma mutua. O filantropismo pode trazer benefício ao doador, mas a caridade forçada não. Não existe caridade forçada.

Essa contradição passa despercebida e sequer é questionada. Uma verdade precisa ser verdade o tempo todo e se aplicar em todos os casos, jamais existirá uma círculo quadrado.

Estado de bem-estar social, é um tipo de organização que coloca o estado como agente da promoção social do coletivo. Nesta orientação, o estado é o agente regulamentador da felicidade, satisfação e o prazer social do indivíduo.

A definição resumida a cima é conflituosa. Primeiro que ignora o indivíduo, parte do princípio coletivista desconsiderando que o coletivo é a soma dos indivíduos. Ora, se a captura de renda para posterior redistribuição da riqueza se inicia de forma involuntária e coercitiva no indivíduo, todo o mais que vier a partir disso é inválido — premissas erradas fatalmente levarão a conclusões erradas — Uma verdade precisa ser verdade o tempo todo e se aplicar em todos os casos, assim, se o imposto serve para ajudar o coletivo, como pode tal ajuda se iniciar num ato de coerção no indivíduo que faz parte do coletivo?

É o próprio estado de bem-estar social que causa dor, pesar, tristeza, inquietação, ansiedade e sofrimento.

É a soma de indivíduos que resulta no coletivo

Novato no gosto pela filosofia e economia

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Jefferson Banks Miranda

Jefferson Banks Miranda

Novato no gosto pela filosofia e economia

More from Medium

Los Olvidados (The Forgotten Ones, 1950) — film review

Essay #1 Reflection

Write What You Fear: Interview with White Review prize winner RZ Baschir

How to get yourself a ALPHA OWL