O que é certo e o que é errado?

A escravidão é boa?

Antes de responder considere algumas questões. De que lado está seu ponto de vista, do escravo ou do liberto? Se fosse possível justificar através de um direito a posse de escravos você utilizaria tal direito positivado?

Direito positivado são direitos que alguém lhe concedeu e podem ser removidos a qualquer momento, o contrário seria o direito natural, aquele que ninguém pode lhe tirar, tal como o direito à vida. Um direito positivado possui condição de justificar moralmente a existência da escravidão?

Justificar significa “dar razão para valorizar”, entretanto, valorizar é algo vago, as pessoas valorizam o que preferem ou gostam, sendo assim, subjetivo. A melhor forma de justificar algo requer que demonstremos um valor imparcial e racional, mas como podemos estabelecer que nossas razões são imparciais? Hoje a prática utilizada para validar a razão é seguir o pensamento da maioria, — se a maioria assim afirma, deve haver racionalidade ali? E como identificar que uma justificação não é apenas resultado de uma persuasão bem-sucedida?

Uma das formas de mensurar a justificativa é através do debate entre Trasímaco e Sócrates — o bom é diferente do justo. Para Trasímaco a legalidade positivada não deve (ou não deveria) influenciar na razão de uma sociedade, esse conceito nos remete mais uma vez para a questão: A sociedade é persuadida a justificar racionalmente o justo através da lente do subjetivismo positivista?

Se transferirmos o exposto para a alegoria da caverna de Platão, será possível afirmar que a persuasão bem-sucedida projeta na sociedade as sobras de um conhecimento manipulado que acaba levando para o conceito do bom o que é do conceito do justo.