Ciranda

Naquela quarta feira de 2017, Morgana recebeu uma carta. Na verdade não era uma carta mas ela gostaria de pensar que sim por se prender à clichês da década em que nasceu. Na parte superior da tela do celular havia a mensagem de Dimitri “cara, a Jane”, mensagem cortada. Morgana não conversava ou tinha notícias de Jane há dois anos, mas muita coisa muda em dois anos, como o corte de cabelo de Morgana depois de ter perdido o amor da sua vida ou o timbre de Jane quando canta apaixonadamente para o amor da vida dela e a barba de Dimitri quando ele assumia que desistiu da vida e só queria beber vinho até sentir vapor saindo pelas orelhas. Mas, ainda assim, determinadas coisas nunca mudam também, como o olhar de Morgana ao ver as canelas do antigo amor da sua vida ou o sonho de Jane por seguir carreira musical na França ou a obsessão de Dimitri em sempre ser o líder de todos e não dar ouvidos a ninguém.

Há pouco mais de dois anos atrás, naqueles dias em que se encontravam sob a luz do luar com outras sessenta e cinco pessoas que não entram nesta história, Morgana e Dimitri costumavam cortar seus pelos em consequencia de depressão e Jane e o amor da vida de Morgana conversavam seriamente sobre como derrubar a indústria de laticínios. O antigo amor da vida de Morgana não comia animais, mas comia Morgana, Dimitri não estava nem aí para o que ele comia desde que realmente comesse e Jane não falava de muita coisa além de farinha de trigo e França e algumas vezes sobre o amor da vida dela. Mas tinham algo em comum: Morgana e Dimitri tinham intensas crises de ansiedade e o amor da vida de Morgana tinha alguém que se apegava a ela e de nada mais precisava. Jane tinha o amor da vida dela que a fotografava para que ela se sentisse bonita. E Dimitri sozinho estava porque perdeu o amor da vida dele a qual se apegava e então se apegou à maconha, cerveja e sexo e se esqueceu de seus remédios, tal como Morgana.

Ainda naquele ano, Morgana se sentia feliz e completa e chorava de felicidade ao ver o amor da sua vida e às vezes chorava e tremia de tanta tristeza em suas consultas à psicóloga, Jane não estava nem aí para nada que não fosse um emprego e Dimitri cortejava Jane mesmo sabendo que não podia. Morgana continuava a não acreditar que Deus existisse embora acreditasse que o universo tinha lhe feito conhecer seu Deus particular, o amor da vida de Morgana continuava a lhe beijar o pescoço e Dimitri transava com Jane no banheiro, e Jane não disse nada ao amor da vida dela e nem a ninguém. E no arrastar do ano seguinte, Morgana e o amor da vida dela se viam menos e se amavam menos e Morgana passou a se apegar outra vez à maconha e à cerveja e não ia mais ao psicólogo e tornou a adoecer de corpo e alma (onde provavelmente acaba sua participação na história), o amor da vida de Morgana, cansada, deixou-a para viver com pessoas saudáveis, Dimitri não transava mais com Jane mas transava e fumava e bebia para suprir a falta que o amor da vida dele fazia e Jane descobriu que o amor da vida dela também estava doente de corpo e alma, foi o que Dimitri disse ao recapitular toda a história naquela mensagem que Morgana recebeu em seu celular. E Dimitri disse “cara, a Jane tá muito feliz porque se livrou do amor da vida dela porque ele tá doente”. E Morgana se sentiu muito mal por ter se lembrado de si mesma e Dimitri não se sentiu totalmente mal porque ainda desejava Jane mas também havia perdido o amor da vida dele pelo mesmo motivo e não se sabe como está o amor da vida de Jane porque a única lembrança que Morgana tem dele é uma ilustração do seu super herói favorita colada em seu quarto. E Jane e o amor da vida de Morgana estão felizes, porque talvez não tivessem encontrado de fato o amor da vida delas, ou Morgana e o amor da vida de Jane tivessem sido o amor da vida delas enquanto elas desejassem que fossem, porque todos os amores que passam pela vida de alguém são amores da vida destas pessoas.

Morgana está aprendendo a viver e não se sabe o que Dimitri pensa. Jane e Morgana provavelmente nunca mais se falarão e Morgana ainda espera o perdão do amor da sua vida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.