Fotografia

Substantivo Feminino.

  1. arte ou processo de reproduzir imagens sobre uma superfície fotossensível (como um filme), pela ação de energia radiante, esp. a luz.
  2. p.met. a imagem obtida por esse processo; foto, retrato.

Segundo uma ilustre fotógrafa niteroiense que conheci, a beleza da fotografia está além do visual de uma imagem. A beleza da fotografia é você poder registrar um evento único que aconteceu naquele específico segundo, e nunca se repetirá.

Estávamos em Pipa, no Rio Grande do Norte, quando ela me deu o seguinte exemplo: “tá vendo essa onda? se eu tirar uma foto dela, ela vai ser única. Nunca outra onda será como essa.”

De fato, eu nunca mais fui a mesma depois dessa visão. Aquelas exatas moléculas de água e sais dissolvidos na mesma jamais atingirão novamente aqueles exatos grãos de areia, naquela exata temperatura, com aquele exato tipo de vento, comigo e Larissa assistindo tudo isso. Obrigada, Rari, por ter aberto minha percepção de mundo.

Já era apaixonada por fotografia antes, contudo desde esse dia a paixão só aumentou. Comecei a ver fotografias lindas registradas mentalmente, paisagens que nunca visitarei de novo e que só de lembrar eu sinto o vento no rosto; retratos de sorrisos que nunca foram guardados em uma imagem para a vida, mas quando são lembrados trazem toda a felicidade do momento; cenas de estranhos na rua exalando felicidade nos momentos mais simples da vida.

E por isso comecei a ser mais observadora. Contemplativa. Vi que muitas vezes momentos de transeuntes na rua precisavam ser registrados. Assim como cenários, paisagens, momentos.

Ontem me senti atraída pra visitar o local que tem meu por-do-sol preferido. Comecei a fotografá-lo do início ao fim. Pessoas passavam sem entender o que acontecia pelo fato de ter uma mulher tão fascinada por aquele local que precisava registrar cada segundo, em cada ângulo, em cada iluminação.

Quando o espetáculo natural estava ao fim, um casal sentou à minha frente e, em silêncio, observavam aquela arte que mãe Gaia faz com a maior naturalidade. Ao mesmo tempo, um casal de pescadores apareceu, navegando indo em direção ao sol, como se estivessem hipnotizados por tamanho encanto.

E nesse momento, eu juro, que senti a beleza do acaso. A beleza das infinitas probabilidades que formam um combinado de várias raras escolhas, as quais formam nossa vida. Nosso caminho.

A vida é tão linda, tão rara.

Dentre bilhões de locais do universo, bilhões de anos da história da Terra, bilhões de pessoas, milhões de cidades no mundo e seus respectivos bairros, eu estava ali. Naquele momento. Contemplando a beleza da natureza, das emoções, dos relacionamentos interpessoais, do acaso. Da vida.

A vida é tão linda, tão rara.

A beleza do Acaso. Abril de 2017. Fotografia: Barbara Celestrini