(Texto de 21/08/2016)

Cheguei.

Há 11 dias atrás eu estava embarcando para, até onde eu sabia, Punta Cana. Um lugar com praias maravilhosas, muito sol e golfinhos. Entrei no avião com um pequeno sentimento de saudade no coração (sou apegada ao meu cantinho), mas animada para conhecer novos ares.

O que eu não sabia é que nesse lugar eu conseguiria encontrar um refúgio, um momento de plena paz e felicidade. Longe de tudo, eu pude refletir sobre diversos assuntos que se misturavam na minha cabeça e atordoavam meus dias. E só eu sei o quanto eu precisava disso naquele momento.

Eu ficava horas ali na praia deitada, ouvindo minha música olhando pro mar. De repente, eu me sinto atingida por uma onda de felicidade que toma conta de mim. É inexplicável a sensação de bem estar que eu pude ter nesses dias.

Há 4 dias atrás eu estava embarcando pro Brasil, de volta pra casa. Embarquei do mesmo jeito que fui: Com um pequeno sentimento de saudade no coração.

Entrei no avião, dormi e acordei no Brasil. Eu estava em casa, estava no meu lar. Por mais que eu tivesse visitado um paraíso, nada se comparava a esse sentimento maravilhoso de estar de volta.

Sai do avião quase que pulando e achando incrível como eu pude ficar tão feliz ao ter saído de um paraíso, de volta pra realidade.

A questão é que a realidade, de alguma forma, era melhor. Na minha realidade estão todos que eu amo, minha casa e até minhas responsabilidades. Na minha realidade tem tudo que faz de mim eu mesma.

Eu amo a realidade também. Eu amo aqui.

E eu concluo essa viagem com uma reflexão: Eu posso visitar os lugares mais perfeitos e lindos do mundo, eles me tornarão uma pessoa renovada, vivida e com experiências incríveis. Mas nada nunca vai me satisfazer tanto quanto saber que eu ainda posso e vou voltar pra casa.

E voltei.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.