Rascunhado

Foto por mim

O menino cresceu
e tropeçou nos mesmos degraus
que eu tropecei quando o conheci.
Achou a fonte da juventude,
com seca encarcerada
na prisão do ideal
e na pressão do infinito.
Assumiu o grito
dos desesperados.
Cresce agora,
sem nenhum cuidado.
Voa pra longe,
voa sem direção
traz pro ninho o peixe errado
mas traz feliz 
e não em vão.
De dó, foi a Solidão,
que o presenteou
com a cegueira
certa
dos desavisados
e dos mais concretos.
Vai de novo tropeçar no chão.
Nas escadas.
Nas palavras.
No amor.
E no perdão.
Mas quem tropeça,
aprende
E quem só observa,
continua no chão.
Vai, Menino.

Like what you read? Give Bari Loev a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.