Camiseta Roída

Uma vez, eu li uma mensagem que ficou remoendo por dias na minha cabeça. Era algo que dizia que eu tratava as pessoas como as camisetas no meu guarda-roupa. E usava-as enquanto conveniente e depois jogava fora. Era algo desse tipo. Essas não eram as palavras exatas, provavelmente, mas o sentido era exatamente esse. Lembro até hoje. Não é surpresa que isso tenha martelado por um bom tempo. O WhatsApp tremeu na base nesse dia.

E o pior de tudo é que por vários meses eu realmente acreditei que podia estar usando pessoas como camisetas. Que estaria magoando elas por uma frieza que eu nem sabia que tinha dentro de mim. Que eu era um merda e que devia tomar cuidado para não respingar rancor nessas camiseta e deixá-las marcadas para sempre. Olha a paranóia da pessoa.

Eu não sei usar pessoas. Atente para o fato de não saber. Não saber é completamente diferente de não usar. Todos nós usamos uns aos outros o tempo inteiro. E olha, isso não é ruim, sabia? Porque eu acabei percebendo que usar as pessoas não nos afasta, e sim, nos aproxima. É meio estranho, mas dá para exemplificar com mais clareza.

Você usa as pessoas porque gosta delas. Todos esses meus amigos que eu faço questão de cuidar, querer por perto, ficar bêbado a ponto de pagar mico e rir de coisas idiotas, são exatamente as pessoas que eu uso. Eu tenho um excelente gosto e só escolho coisas boas. E desconsidere aquela frase clichê sobre usar coisas e não pessoas. Essa é uma outra perspectiva, certo? Que inclusive bate certinho com a mensagem que recebi no WhatsApp e comentei no primeiro parágrafo desse texto. Preste atenção, pois estamos falando de coisas diferentes.

Existiram momentos que eu queria ter sido usado e não fui? É claro. Todo mundo tem. Deixa eu listar aqui alguns momentos engraçados agora, mas que no momento foram uma pedra no meu sapato.

Eu quis ser usado, quando enviei mensagens e não obtive respostas. Eu quis ser usado, quando precisei e não houve retribuição a todas as vezes que eu estive ajudando a reconstruir as paredes que desmoronaram. Eu quis ser usado, quando fui tratado aleatoriamente em vários momentos da faculdade. Eu quis ser usado como primeira opção no time de futebol do colégio mesmo sem saber jogar direito. Aliás, eu teimosamente era jogado na zaga. Ser zagueiro é ruim? Amigos que entendem de jogar bola, me respondam essa, por favor.

Eu quis ser usado tantas vezes. É tanto problema criado ao redor de uma palavra. Tanta questão resolvida que é enterrada pela ignorância. Tanto chororô motivacional encharcado de hipocrisia. Tem muita coisa boa no mundo e tem muita camiseta bonita por aí pra ser usada.

Contudo, seria uma mentira descarada chegar até aqui e dizer que nosso guarda-roupa comporta todas as camisetas. Não, não funciona assim. Existem camisetas que ficam velhas e quanto mais velhas mais você gosta e usa. Umas dessas camisetas, acabam sendo roídas demais com o tempo e não dá mais para usar. Você não se sente mais confortável vestido naquela camiseta.

Olha, eu adoro minhas camisetas roídas, mas o meu guarda-roupa não. Resolvi jogar algumas camisetas fora. Você me desculpa, camiseta? Encare isso tudo como doação e esquente alguém de verdade. Vai fazer mais sentido. E cuidado com o ferro de passar. Ele arregaça ainda mais os roídos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.