É Agora José

Zé,

Nada me resta nada ao não ser dizer com o coração cheio: muito obrigado!

Obrigado pela música, pelas histórias, pelos discos, pelos provérbios, pelos ensinamento não ensinados, pela palavra não dita, por mostrar que a gente se arrependo pelo que não fez, por ter certeza que o tempo é o senhor razão e, principalmente, pelo pai que você é todo santo dia.

Do homem que eu sou e do que eu quero ser, se eu for metade do que você é, eu já estou satisfeito, e da outra metade quero ser mesmo que eu sou, que no final, nada mais é que você, e ainda bem que bem diferente.

Da vida que vou levar, quero poder saber a que você levou, e errar muito, pois o que eu quero, como disse Belchior, é "Andar caminho errado pela simples alegria de ser".

Da familia quero ser um espelho, mas com certeza com uma moldura mais detalhada, o igual serve, talvez, para ser descartado, mas o que é muito bom, quero sim que seja ainda melhorado.

Do pai … obrigado. Como filho demorei então para perceber que, mudo em mim e reflete em você, somos iguais e bem diferentes e assim teremos que ser.