pessoas,

vamos conversar sobre quantas constelações nós já identificamos no céu e a quantidade de açúcar que gostamos no café, sobre cenas de filmes e que música nós gostamos de ouvir enquanto fazemos faxina. vamos falar sobre nosso sabor de miojo preferido e me conta se alguma vez tu já contou quantos passos deu de um lugar pra outro. me conta sobre a pessoa pela qual tu é apaixonada, eu te conto sobre a minha também. fala do teu primeiro beijo, é gostosinho esse negócio de romance. recita pra mim os versos da tua poesia preferida, canta a primeira música que tu ouviu hoje. me conta se tu acredita em deus em astrologia na ciência na espionagem estadunidense. vamos falar sobre quais animais gostaríamos de ser e porquê. e vamos listar o top 3 de lugares que queremos visitar. vamos compartilhar as histórias das nossas cicatrizes. me fala, qual é a tua marca na pele preferida? a minha fica entre as estrias na parte de dentro das minhas coxas e um conjunto de sinais: três na dobrinha do braço, naquela parte da frente do cotovelo que eu não sei como chamar. me conta o que tu-criança queria ser quando crescesse, aí te conto que eu-criança queria ser veterinária. me conta da tua vida nos últimos cinco anos. tu fuma? vamos dividir um palheiro, um cigarro, um. fala pra mim o que tu sonhou ontem, qual foi teu último pesadelo e se algum deles já se repetiu. tu gosta de batata recheada? poxa, eu amo a ideia da existência disso, mas nunca comi nada além de uns pedaços roubados de amigos. vamos sair pra comer uma batata recheada inteira. ou um pacote de salgadinho do supermercado mais próximo. vamos sair. vamos nos conhecer. vamos conhecer nossos grandes detalhes. e eu digo “nossos” porque, enquanto converso contigo, também me conheço mais.

sei lá.

vamos falar e fazer de tudo.

caso não tenha ficado claro, isso é um convite.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.