Espelho de mim

Recebi a proposta de me colocar dentro de um texto, que desafio! Pois não é fácil, para não dizer impossível, transcrever pouco mais de 23 anos de uma vida em 1000 palavras.
Quando se trata de escrever sobre si a mesma lógica é seguida, como numa programação, primeiro inicia-se com a dúvida “Você se conhece tão bem assim?” e mesmo sem ter a resposta logo surge o pensamento posterior “Por onde começar?”

Se conhecer é uma arte, uma habilidade que nem todos possuem, pois num mundo imediatista e ávido por novidades, parar conscientemente afim de dispor de tempo para se conhecer é uma situação quase extinta, e eu não fujo a esta realidade.
Qual o melhor jeito então? Meditação? Isolamento? Oras, Se não sei tudo sobre mim há um motivo, para tal tarefa sei que posso sempre contar com algumas pessoas, aquelas que ficam gravadas não apenas nos contatos do celular ou redes sociais para marcarmos em memes, mas ficam gravadas em nós, ajudando no nosso processo de nos tornarmos únicos.

Seria injusto compartilhar minha história, sem ao menos mencionar esse público, pois essas pessoas ajudaram a fazer de mim não o que, mas quem eu sou hoje. Foram as amizades, os familiares, os namoros, a sociedade quem ajudou este “eu” se formar Bruno Britto Chiomento. Portanto acho justo ter aqui esse breve momento de reconhecimento, mesmo de forma genérica, a todos eles. Pois se eles me veem como um amigo, um cara sempre disposto a ajudar, um irmão, um confidente, um cara sereno dentre tantas outras coisas, grande parte disso é resultado do toque de cada um.

Meus gostos, exclusivamente meus quase que por definição, são refletidos em minhas ações onde Boardgames e RPGs me ajudam a enxergar a situação por outro angulo, o Teatro sendo peça chave na adaptabilidade, pensamento rápido e senso de coltivo, e Ensino mostrando que sempre há algo a aprender.

Se não concordo, não me omito, se não me é o suficiente, questiono; por isso me identifico muito com o sinal “?”, pois importante é a resposta, mas o primordial é o questionamento. E justamente por isso que me formei Químico, curso a segunda graduação enquanto me especializo.

Foi justamente na faculdade que aprendi como nosso trabalho impacta na vida dos outros e como isso impacta a nossa vida de volta. Eu poderia ter apenas cursado a grade do curso e me graduado, mas isso não se enquadra em mim. Eu tive experiências como fundar o Diretório Acadêmico e tê-lo presidido por 2 anos, viajado como representante a diversos seminários e congressos para trazer mais investimentos tanto monetário quanto acadêmico, iniciado minha vida científica com um projeto fomentado pela CAPES, ter feito parcerias dentro da universidade que se mantiveram mesmo após minha saída.

Devido a essas ações, chamadas de extracurriculares, fui convidado a me especializar. Assunto este que sinto um imenso orgulho, pois o que fiz gerou frutos de colheita coletiva, caminhando assim para mais próximo de ser lembrado como alguém que trabalhou pela melhoria do mundo, para além disso despertou em mim aquilo que muitos vivem sem conseguir. Despertou em mim um propósito.

Movido por este propósito realizei alguns desejos antigos dentre eles, acredito que o mais especial seja o resgate de um cachorro abandonado, dando-lhe assistência e uma nova família. E encontrei novos, como buscar uma solução eficaz para problemas ambientais que se agravam a cada dia.

Escolhi a J&J porque no período em que se transcorre meu estágio, percebi que nossos objetivos se encontraram e caminham juntos desde então. Escolhi participar apenas desse processo de Trainee pois os valores empresariais são espelhos dos meus valores pessoais. Eu Escolhi essa empresa porque quero Tocar Vidas.

Foto de Laser usado durante Iniciação Cinetífica IPEN/USP 2016
Foto tabuleiro de Catan com jogo finalizado 2018
Foto da Peça 3 Mosqueteiros