A melhor coisa que te aconteceu, não pode ser eu

gif

O que vem na sua cabeça quando te perguntam qual foi a melhor coisa que aconteceu na sua vida até hoje?

Dia desses me fizeram essa pergunta e eu não fazia ideia do que responder e decidi perguntar pra um bocado de outras pessoas para saber o que elas pensavam, para ver se as respostas me faziam refletir, me fizessem pensar. Resultado: Nenhuma delas me fez raciocinar ou ponderar qualquer coisa sensta.

Isso até ontem.

Eu fiz essa pergunta pra todo mundo, inclusive pra ele.

Ele deu lá uma resposta, que no começo não acreditei muito, mas deixei pra lá.

E vem ele me voltar nesse assunto ontem, com uma resposta totalmente diferente:

“Eu parei um pouco pra pensar naquela pergunta que você me fez, e concluí que você foi a melhor e a pior coisa que me aconteceu”.

Tipo, oi????

Foi um baque, fui pega de surpresa, nem soube o que responder, tanto que demorei uns bons 20 minutos (pra quem é paranoico com essa coisa de mensagem isso é muita coisa). Eu ainda estava sem acreditar, tipo, como assim???

A questão era que eu não acreditava que eu podia ter sido a melhor (mesmo que ao mesmo tempo também fosse a pior) coisa que já aconteceu para alguém. Eu acreditava na parte de ter sido a pior, mas a melhor? Jamais. Porque, fala sério, eu sou um nada. Um nada não pode significar muita coisa. Uma pessoa simples, confusa, louca.

Uma pessoa quieta, grossa, birrenta, teimosa (bem teimosa). Que não gosta de errar, não gosta de estar errada, não gosta de perder nada, seja competições ou pessoas. Que gosta de cantar mas não sabe. Que gosta de dançar mas não sabe. Que fala com os cachorros com a voz alterada, e vai adotar 23 deles quando tiver a sua casa. Que xinga os móveis quando se machuca neles. Que acha que o universo (logo o universo com tanta coisa ao redor vai ligar logo pra ela ) não conspira ao favor dela e que tudo de ruim que tiver que acontecer vai acontecer com ela (PORQUE NA CABEÇA DELA NÃO TEM GENTE PASSANDO POR COISA PIOR PORQUE TEM SIM), só porque ela é ela, aquele velho clichê de que “só acontece coisa ruim comigo”. Filha de pessoas boas, tem mãe e pai, irmãos, uma família, e ainda reclama da vida. É egoísta com algumas coisas. Pensa que mais é sempre melhor. É bem sincera. Fala demais, E AINDA FALA ALTO PRA CARALHO QUANDO NÃO CONVÉM (desculpa ela, mas ela não consegue se segurar) e que também fala rápido demais. A que odeia ser o centro das atenções. Tem pavor de falar em publico. Que se suja toda comendo QUALQUER COISA QUE TENHA MUITO MOLHO e não ta nem ai, mas tem vergonha de comer na frente dos outros. Que tem uma voz bem fininha e irritante demais, e além dela ser bem chata (ela sabe que é e muita gente já disse) que é insuportável também, mas ela não faz por querer, não mesmo, esse é só o jeito dela. Que não sabe tirar fotos nem é fotogênica. Que gosta de dar estrelinhas na praia. Que quando crescer vai ter uma casa de praia, sim, para ir quase todos os fins de semana. Que tira nota baixa mesmo quando estudou muito e fica se culpando. Que se acha muito imperfeita. Que não sabe lidar com elogios. Que se auto-sabota. Que tem problemas com a balança mas não sabe como ainda não ficou doente, já deveria estar morta, a coitada. Que tem manias estranhas. Que coloca ketchup em quase tudo. Que tem medo de fazer exame de sangue. Que quer ler vários livros todos de uma vez. Que vai ter um quarto na sua casa onde só vão ter livros. Que não gosta de grude. Que não sabe falar dos sentimentos. Que às vezes só quer um abraço pra se sentir bem. Que se sente incapaz de fazer certas coisas. Que dá conselhos pros outros que ela mesmo não segue. Que não gosta de bagunça mas tem preguiça de arrumar. Que gosta de assistir vários filmes com muita pipoca e coca-cola. Que não sabe cozinhar, já queimou até água. Que quer ser igual uma modelo da Victoria Secret’s. Que quer colocar vários piercings na orelha. Que quer viajar pra Ibiza. Que acha que nasceu no país errado desde que se auto declara “““““fluente””””” em inglês sendo que ela sabe o básico e olhe lá. Que chora por besteira quase sempre. Que tem medo de doença. Que acha que não passa no vestibular. Que desconfia de todo mundo. Que nunca sabe quando tá fazendo burrada até fazer. Que sempre se arrepende depois. Que gosta do que não presta. Que gosta dos filmes da Disney Pixar e outras animações, na verdade AMA e é neles que ela pensa quando perguntam “qual seu filme favorito?”. Que gosta de bandas que quase NINGUÉM conhece. Que não gosta de Wesley Safadão, nem de açaí, nem GoT, nem café, nem amendoim, nem carnaval, nem são joão, nem diamante negro (EW ELA ODEIA), nem de Whatsapp, e por isso NÃO GOSTA DE RESPONDER RÁPIDO. Que gosta de se arrumar pra se sentir bonita mas gosta mais de um blusão e chinelos porque fica de qualquer jeito em casa. Que não gosta de pentear o cabelo porque da muito trabalho. Que não gosta da própria voz. Que tem vergonha de QUASE TUDO. Que ri do nada, ri de nada. Que é bem idiota sim, por mais que ela não queira mostrar isso. Que quer ser super inteligente mas ela é no máximo esperta. Que gosta de cantar rap em inglês e fica se achando a versão feminina do Eminem quando canta tudo sem errar nadinha. Que tem vontade de sair correndo sempre, dos problemas, de todo mundo, porque sempre acha que não aguenta a pressão. Que não acredita em si mesma. Que tem medo de ficar sozinha porque aparentemente a vida toda foi assim, ela já tá até acostumada. Que escreve sobre ele, mas ele não existe. Que escreve sobre o amor mas não sabe amar. Que quer publicar um livro um dia mas nem sabe como começar. Que só quer ser aceita do seu jeito todo errado e esquisto. Que faz de tudo pra parecer simpática (APESAR DA GROSSERIA NÉ?), mas ela tenta, tenta mesmo, tenta de tudo que é possível. Que sempre procura outras soluções mesmo que pareça que tudo já está perdido, ela tenta não desistir.

Ai eu te perguntou, como essa garota pode ser a melhor coisa da vida de alguém? Talvez tenha uma resposta, talvez por isso ela tenha virado a pior.

Eu sou exatamente assim, com mais alguns comentários que com certeza não caberiam aqui. E eu não entendo o porquê dele gostar de mim. Logo eu? Sei lá, eu não me encaixo no logotipo de “garota perfeita”, muito menos a “garota dele”, eu sou a minha própria garota, eu me aguento desse jeito, eu sei dos meus defeitos, sei das minhas qualidades, mas talvez o meu maior problema seja que eu não consigo acreditar que haja alguém no mundo que me aturaria como eu me aturo. Isso não deveria ser amor? Talvez, não sei. O problema é quando ele não é recíproco, e eu não podia deixar ele continuar nessa viajem sem rumo, e é nessa parte da história que eu: estrago tudo.

Ele sem mim é bem melhor.

Eu já sou sozinha.

E é nessas horas que eu me lembro: ainda bem que eu tenho eu.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.