As malditas palavras não ditas

As malditas palavras não ditas
Se forem engolidas
Sempre permanecerão escondidas
Mesmo se forem escritas
Ainda que medidas
E rimadas
Se não forem ditas
Não serão adivinhadas
Não haverá alternativa
O futuro será nada

As malditas palavras não ditas
Já foram escondidas
Uma outra vez no passado
Em outra circunstância desmedida
Que ninguém premedita 
Mas que igualmente fez estrago

As malditas palavras não ditas
Que na garganta habitam
Não saem sozinhas
Os ouvidos não podem ouvir
O coração não sente
E elas morrem na língua

As benditas palavras ditas
Como a flecha atirada
Só se lançam uma vez
É hora de escolher a alternativa
Fazer o que se quer
Ou se arrepender do que não fez