Não serei menos que eu mesma

(Um estudo sobre amor próprio e não desculpar-se por ser quem você é)

Esses dias
Estudando teorias 
De atração e repulsão
Cheguei a uma conclusão

Que uma pessoa confiante demais
Segura demais
Madura demais
Promissora demais
Completa demais
Torna-se assustadora

Assustadora
Ameaçadora
Chocante
Atraente
E repulsora

Alguém completo demais não está à procura de alguém para completar-se
E sim alguém para agregar algo

E qual seria a solução?
Esvaziar-se?
Diminuir-se?
Tornar-se mais opaco?
Ser menos?

Não!
Não temos que nos amar menos para que os outros nos amem mais

E, chegando a essa conclusão, decidi:
Não serei menos que eu mesma.
Não irei diminuir-me, humilhar-me, mudar-me para encontrar alguém disposto a me acompanhar em minha caminhada.

Me recuso a esvaziar-me para que alguém que não esteja cheio também queira me preencher 
Quero outro inteiro, para transbordar-me
Não irei "pequenar-me" para que outro alguém possa engrandecer-se.

Não quero ninguém na minha frente - e nem atrás de mim. Quem decidir caminhar comigo, caminhará do meu lado. Iremos de mãos dadas.

E deixo avisado, que daqui eu só irei para a frente. Não regredirei, não recuarei. Esta luz interior só há de crescer. Quem não aguentá-la, que proteja os olhos. E a quem estiver disposto, vamos iluminar-mo-nos (e o mundo) juntos.

Estou dedicada a meu crescimento pessoal e não aceito nada menos que isso. Não serei menos que eu mesma.

E a partir de agora declaro que aceito esse destino, mesmo que isso signifique que eu posso estar fadada à solidão perpétua.

Se estiver disposto, caminhe do meu lado. Ou eu caminharei sozinha.