oi.

Emma Hartvig

meu nome é Beatriz. por causa daquela música do Chico Buarque com o Edu Lobo. eu tenho alguns — muitos — traumas, algumas histórias e uma porção de sardas no rosto. a decisão de hoje (que pela minha natureza um pouco camaleônica pode não ser levada a sério por muito mais tempo) é a de que vou escrever com uma certa frequência sobre as coisas que passam pela minha cabeça. o objetivo é que eu quero me ler. eu preciso me ler. ninguém jamais vai fazer isso se eu não fizer, e pelo menos isso eu já entendi.

o fato é que eu sinto a profunda necessidade de me analisar. e isso PRECISA começar logo. mais precisamente nesse exato momento. mergulhar em mim mesma não é uma tarefa fácil e muito menos rápida. mas é necessária. e só eu mesma posso fazer isso por mim. na verdade isso não me assusta nem um pouco. pelo contrário.

eu achava que tinha me conhecido e que esse processo tinha sido 100% concluído. mas o que eu não sabia e que agora descobri é que esse é o tipo de coisa que nunca vai ser concluída. nunca mesmo. por isso, eu decreto o compromisso comigo mesma de que daqui em diante eu vou cuidar de mim todos os dias. e vou me interessar por mim mesma e de fato mergulhar dentro da minha própria singularidade, não importa o que aconteça.

esse é só o começo de uma jornada de toda uma vida. e eu só tenho 17 anos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.