Olha, eu estou abrindo essa porta trancada, mas, prometo que saio rápido e ao sair troco o cadeado, para que eu não teime em usar a chave que eu ainda tenho guardada.

Com licença…

Agora que estou aqui dentro você permite que esse beijo seja o caminho para o resto da noite? Me deixa provar, me deixa fazer parte de você. Contar os detalhes do seu corpo até o sol me avisar que ainda é cedo. As minhas mãos, elas vão sedentas afastando o tecido e procurando a sua pele, me deixa tocar… Me deixa lembrar qual era a frequência que os nossos corpos costumavam atingir quando juntos. Me deixa te fazer esquecer de tudo, parar nas estrelas, voltar pra cá com um suspiro longo. A minha boca implora a sua. Já que estou aqui dentro, me deixa provar o sabor de cada pedaço, cada esconderijo, prometo não deixar passar sequer um milímetro. Se você gostar do caminho, eu faço de novo, e repito até você me pedir pra parar, e ainda assim eu vou continuar, com a saudade que estou só paro quando você me colocar pra fora…Espera. Eu ainda tenho um tempo por aqui, te encostar naquela parede, sentir os fios do seu cabelo entre os meus dedos, você conhece essa minha cara, sabe que eu quero me perder em você de novo. Sei que está escuro aqui dentro, mas tenta acompanhar o caminho da minha boca: você.

Reforcei a tranca, o cadeado é outro, a chave é sua

e tem uma cópia.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.