Que seja.

eu nem me importo mesmo

Que seja. Deixa ser do jeito que for. Que seja lindo e feio e inesperado e previsível e ardente e apagado e tudo absolutamente tudo e nada.

Todas as previsões climáticas pro futuro revelaram uma Revolução das Máquinas com chuva torrencial. Entretanto, chega lá no dia e está uma bela manhã ensolarada com peões de obra cavando sob o seu suor. Não há por que prever. Não há por que se incomodar!

O destino e a coincidência são apenas nomes pro que acontece aqui. São coisas idênticas. Na verdade, não querem que você saiba que deus não é alguém. Não é barbudo, não é mágico. Querem que seja colocado um D maiúsculo, que as nossas bocas sejam lavadas antes de pronunciá-lo! deus não é alguém, meus queridos: deus é um ventinho que bate nas partes quando passamos no calçadão da praia.

E que eu seja censurada. Que seja. Eu não me importo.

Que cortem minha língua fora e deem para os líderes que tanto odeio acompanhada de salsinha e um filete de azeite. Meu mais terrível sonho é que se deleitem com algo meu, nem que seja com a minha derrota.

E que eu seja odiada. Que eu seja esquecida. Que eu seja nada.

E quem disse que sou algo? Meu pai ao ver meus seis dedinhos?

“Não sei bem o que, mas que é é!”

Que sabe ele? Mas se algo eu for, que seja.

Que eu seja. Eu não me importo.

Acho até que posso me acostumar com isso de existir.

Like what you read? Give Beatriz C. Schreiner a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.