Súplicas Românticas e Detestáveis

O dia parece que não acaba nunca, cara. Eu acordei pensando em você e cá estou eu de novo. Um pensamento normal duraria o que? No máximo um minuto. E mesmo assim seria como uma eternidade. Uma eternidade presa num minuto. Você me faz confundir medida de espaço e tempo. Deve ser por isso que eu te odeio.

Desde que a gente se viu eu tenho andado tão confusa. Os dias parecem noites e as noites eu passo em claro, tão claro como um dia de sol em Itacoatiara. Tão claro como uma explosão de gerador de energia na Boa Viagem. Eu tenho ficado muito tempo sem luz por aqui. Não que você se importe. Aí quando eu fico no escuro eu só viro a cabeça no travesseiro e respiro um ar abafado. Não sei por quê. Já está escuro mesmo. Mais escuro, menos escuro. Tanto faz.

Aliás, ouvi seu mixtape. De novo. Algumas vezes. Tipo umas seis. E seguidas. Eu lembro de ter dito na época que estava legal, muito new age, mas agora eu simplesmente o detesto. Seu gosto musical consegue ser pior que as suas desculpas e apostei dez reais com uns amigos que isso era impossível. Nesse mesmo dia eu apostei que eu conseguiria acertar a cabeça de alguém no térreo cuspindo do terraço do prédio. Você deve estar achando isso muito patético. Realmente foi patético, acabei toda babada como se você tivesse acabado de me beijar. Touché!

Não tenho vontade nenhuma de falar com você mas eu tenho menos vontade ainda de pensar em você. E está incessante, infinito. Estou morrendo de enxaqueca. A única coisa que eu vim te pedir aqui é que faça esse dia acabar logo. Piedade pela minha sanidade. Pelo amor de Deus.

. Esqueci que você era ateu.

Like what you read? Give Beatriz C. Schreiner a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.