Dona de mim

diretamente do meu planner

Em janeiro de 2018 estava ainda na esperança que a ligação do último dia do ano de 2017 fosse algo que significasse alguma coisa. Por 2 anos fiquei com o Lucas, pessoa na qual fiz um monte de textos aqui e me tirou a saúde mental aos poucos pela sua indefinição. Em janeiro do ano passado eu até cheguei a pensar que o “agora vai” iria de fato. Não foi, alias, quem foi foi ele que se mandou para a Europa para cuidar do seu filho.

Deste de que meu último namoro acabou, inicio de 2016, há 3 anos atrás, eu não tenho tido relacionamentos bons. Não que o último tenha sido incrível, nem foi, mas sexualmente era legal. Nem isso tenho tido. Os textos que escrevo para a série “já amei muita gente” são baseados em relacionamentos antigos de verdade, numa época onde eu transava com um diferente a cada semana. Era divertido ser piranha. Hoje nem se eu quiser consigo. Sei disso porque foi o que mais quis em 2018, dar até andar “side to side”.

Depois de um ano sem ninguém e sem uma boa história (só as de fracasso), aprendi na marra a preencher a parte do meu coração que estava guardada para este assunto por outros objetivos, como por exemplo trabalhar para viajar em março para a Irlanda, na qual vou morar por 8 meses (para saber mais só entrar neste link). Minha energia foi direcionada para ser um mulherão da porra e não para arrumar um parceiro. Começo 2019 sem nem sexo tô afim de ter. Na verdade, meu corpo e minha libido às vezes me enganam e até com ex a gente volta a falar para ver se a gente pelo menos tem uma boa noite de sexo, algo que não tive ano passado, mas no fundo eu só penso naquilo porque corpo pede. A mente tá tranquila e se fosse por antes (tipo há um ano atrás) estaria achando que a errada seria eu porque o carinha que me beijou na terça ontem não olhou direito para a minha cara.

Eu não tenho mais paciência para as picuinhas de relacionamento, de brigas, de posses e de homens que não nos tratam como as sereias que somos. Homens que são meias bombas e comparado com a gente, não merecem um like. Claro que não querer mais isso te liberta e quando alguém faz o que se é esperado, te ignora, você dá um joinha e parte para a outra. Ou para nenhuma, porque afinal você precisa? Eu não. Tô muito bem sozinha e já faz um tempo que é real. Mas se aparecer e for bacana, chega junto.

Claro que este texto não é um ode para você parar com esta coisa chamada amor. Como disse uma pessoa ontem, se todo mundo dançar na hora do bloco e não tocar, não tem mais bloco. O feminismo é isso, você pode querer casar sim, namorar 5 sim, dar para a torcida do Flamengo sim e ficar de boa sem ninguém porque só de pensar em correr atrás de homem te dar fadiga. Eu estou falando de mim. E isso é uma fase, tem hora que eu penso que talvez não seja tão incrível assim porque não tem ninguém interessado por mim. Mas isso muda no dia seguinte, quando vou fazer outra coisa da vida. Assim como quando você está com alguém e isso te irrita as vezes. Ninguém consegue estar satisfeito o tempo todo.

Claro que isso tudo pode ser parte de um trauma baseado em todos os caras que fiquei ano passado não saberem transar. Quando um ser chega em mim eu fico me perguntando se vou ficar pelada à toa para alguém que transa que nem cachorro no cio. Pode tudo mudar e eu falar de amor amanhã mesmo, quando encontrar alguém que sabe o que está fazendo, tanto sexualmente como no relacional. É uma fase, daqui a pouco acaba. Mas é bom saber que posso ficar muito bem sozinha.

Se você tiver uma piroca bacana e não for um macho escroto, vamos conversar?

.

.

.

.

Ps1: Não dou mais conselhos faz um tempo. Vejo que as pessoas não querem de fato um direcionamento na sua vida, mas sim desabafar ou alguém que afirme os seus próximos atos. Não incomum dava conselho para uma pessoa, que imediatamente vinha com outro email dizendo que fez o que queria fazer (e aconteceu o que eu disse que aconteceria). Então para meu bem, nem adianta mandar email que não vou responder. Só me mande email (e me peça) se for para trabalho, ok?

Ps2: Já falei que vou para a Irlanda? Imagina quanta história incrível vou trazer de lá, hein? Mas para isso preciso de dinheiro. Para saber mais como só entrar neste link.