Somos sim um pouco Tom

Mais um texto sobre 500 dias com ela

Certa vez escrevi um texto sobre o filme 500 dias com ela, mais precisamente sobre a relação entre os personagens principais, Summer e Tom. O texto diz que a Summer não é a culpada por Tom se iludir, ele fez isso sozinho. Buscou nela algo que sonhava em ter por gostarem das mesmas coisas, via sinais em tudo, nunca perguntou e nem deixava bem claro o que queria por medo. Tom é inseguro, apaixonado e sonhador. Bom, substitua esta relação por alguma sua e saiba que somos, seremos e fomos Tom em alguma de nossas relações, em algum momento.

Vejo por mim, numa relação de um ano, vendo detalhes onde não existe, avanços onde não tem, cultivando esperança desnecessária para a saúde mental. Por um acaso esta relação não é um namoro, a maioria que vive nesta incerteza não é. Mas já vi de longe relações assim dentro de um acordo de relacionamento (Afinal, namoro é um acordo). Nos colocamos nessas situações porque queremos. Porque buscamos, de certa forma, um final feliz de um relacionamento de tramas. É a velha síndrome da Bela e a Fera, queremos transformar alguém com nosso amor. Alguém que talvez nem queira nada além do que esta demonstrando.

Vocês nunca se perguntaram do motivo do Tom se permitir a isso? Por que ele resolveu se apaixonar por Summer, mesmo que ela tenha mostrado o tempo inteiro que não estava a fim de nada além daquilo mesmo? Por que nos permitimos a isso, a estar em relações que temos que buscar a pessoa o tempo todo, observar detalhes que não significam nada mas que colocamos um peso de mudança para nos sentirmos bem, estarmos do lado de pessoas que não tem reciprocidade clara conosco?

Vi um thread no twitter que contava a história de uma menina que teve um relacionamento bem bosta, porém com alguém que ela amava. Depois de muitas idas e vindas, preferiu terminar e após uns anos, a reencontrou e após a sua ex ter tido que havia mudado, voltaram e por agora estão bem. A conclusão era que esta era a exceção que todo mundo gostaria ter, e é a verdade, queremos que qualquer relação com alguém que nós amamos dê certo. E por estas e por outras que nos sujeitamos a relações destrutivas, por termos a esperança de que tudo acabe bem e que a Fera se transforme num príncipe.

Doamos-nos, observamos, ficamos nesta. Amigos nos dizem que não é uma boa, alias racionalmente sabemos que não é. Mas quem quer assumir que não deu certo e que nosso esforço numa relação com alguém que não te acha um floquinho de neve só serviu para se identificar com alguma música da Sandy e Júnior?

A relação como um todo de Tom e Summer era bom, ora. Tinha boas risadas e situações na qual Summer mostrava claramente interessada. Nenhuma relação é de todo ruim, inclusive as abusivas. Alias, os bons momentos de relações ruins e abusivas é o que faz com que as pessoas não saem delas tão facilmente. O que nos segura num péssimo namoro é isso, é aqueles breves minutos onde estamos tranquilos e somos felizes. Mesmo que o resto seja brigas e estresses. Nunca se esqueçam, o amor precisa ser fácil.

Tom de fato era uma pessoa chata e não estou falando que você é. A nossa autoestima, às vezes elevada, nos convence que merecemos mais do que temos, então não é sobre o que somos, mas o que nos sujeitamos a ter. Mas, assim como ele, entramos na cilada de esperar algo que pode dar certo, mas a probabilidade de realmente acontecer é pouca. Ninguém quer largar de mão àquela pessoa que nos deixa desarmado. Então estas palavras são para dizer que: Eu entendo vocês, a todos vocês que estão em relacionamentos tão firmes como uma gelatina. Vocês, que veem sinais de amor numa pessoa que só quer te comer. A todos vocês, que amam alguém tanto que acham que o seu amor é suficiente para os 2(spoiler, não é). Não tenho uma solução para esta melódia, se alguém tiver me fala. Eu só quero um abraço e ser racional para me apaixonar apenas por quem está afim.

.

.

.

Quer algum conselho sobre algum assunto que você não conta nem para seu amigo mais próximo??? Como diria a titia Tetéia no nosso primário, sua dúvida pode ser a dúvida do outro: mande um email para beatrizquadros@yahoo.com.br e eu te ajudo.