a vida não dá sinal antes de virar

amor é uma coisa engraçada. especialmente se você for que nem eu — que sente que sempre precisa gostar de alguém, nem que seja um carinha/ uma garota assim meio chué, ou aquela crushzinha do ônibus/metrô. ou alguma personagem de livro — que sempre tem um nome bonito, tipo Oliver ou Arden. essas pessoas (reais ou fictícias, heh) a gente gosta (ou pelo menos, eu gosto) por gostar. a vida não tem muita graça sem alguém pra gostar. alguém pra pensar antes de dormir.

às vezes, porém, você tem a sorte de poder falar com a pessoa e dizer, ei, é que assim, eu gosto de ti, e meio que queria dar uns beijos, se tu não se importa. talvez um emoji de coraçãozinho no final pra parecer fofo(a). ou aquele da luazinha, se você for mais sassy, sei lá. mas essa é a parte que acho meio mágica. porque as possibilidades são infinitas.

veja bem, sempre dizem que o pior que pode acontecer é a pessoa dizer não. nunca dizem que, na verdade, aquela pessoa pode ser o amor da sua vida e nem você nem ela sabem. nunca dizem: ‘essa pessoa pode te amar por alguns meses e depois virar alguém tão insuportável que faz você querer nunca ter mandado (ou respondido) mensagem nenhuma’. ou ‘essa pessoa pode não gostar de ti, mas vocês vão virar melhores amigos e você vai ver que foi bem melhor assim’. ou que talvez em três meses ela vai estar na tua cama disputando o lençol. que talvez ela te torne alcoólatra, mesmo que ela não valha nem metade do que você gastou bebendo.

ou que talvez ela seja ótima, e você cometa erros, e a machuque, e, alguns meses depois, a mesma pessoa que sempre aparecia na tua porta com um sorriso de bochecha a bochecha e com os braços abertos pra um abraço, hoje apareça de cara amarrada só pra pegar as coisas dela de volta. talvez ela deixe um livro ou um moletom de propósito só pra deixar algo dela por ali. talvez ela jogue as tuas flores e os teus cds todos fora.

e eu sei lá, acho bonito isso. isso do teu futuro depender de alguém, e mesmo que seja pra acabar algum dia, ou pra não chegar a lugar nenhum, você sempre aprende algo, ou ganha algumas memórias boas pra guardar, algumas histórias boas de contar (como uma das 50 vezes que você vacilou com alguém ou fez algo retardado na frente dele(a)). você não sabe, você só está aí, considerando há uns 30s se aperta em ‘enviar’ ou não. a vida não dá sinal antes de virar, mas é das curvas que ela faz que a nossa estrada se constrói.


Le raconteur é um projeto inspirado na Loja de Histórias, de Pedro Fonseca. Acredito que toda fotografia tem uma história, então procuro fotografias e imagino a história que há por trás delas.

Se gostou do texto, dê um ♡, agradeço!

Se quiser doar uma foto de sua autoria, também agradeço! Só me procurar notwitter.