tu sempre se atrasa, é incrível. para pra pensar no tanto de segundos, milésimos de instantes da minha boca na tua que a gente desperdiça quando cê perde a hora, para pra pensar no que poderia ter acontecido se tu tivesse aparecido dez minutos antes, no horário combinado. não. faz melhor, para pra pensar no que aconteceu, contigo chegando dez minutos atrasado.

eufemismo, contigo chegando mais de quarenta minutos depois. cê me apareceu de mochila e havaianas, atraindo a chuva e a mim, olhou sempre pro céu e pro banco do passageiro, perguntando sobre o meu dia enquanto eu te bebia com os olhos. não senti sede ontem, mas em compensação, muita vontade de ti, por todos os lados, dentro e fora.

antes de qualquer coisa, a confusão de te encontrar. como na primeira vez e nas outras também, era você vir na minha direção pra todos os sistemas darem pane — travam os olhos e nas mãos o comichão pra ler em braile o que estiver escrito em ti. — entre a praia e o parque eu escolhi o ‘você quem sabe’, maluca pra tu deixar vazar o que pensa, pra saber se pensa em mim, pra te provar que nem mingau, pelas beiradinhas enquanto quente e degustando com todas as papilas enquanto morno. até frio tu me apeteceria, com a vênus em capricórnio, frio e molhado.

uma ligação, a rota, a caminhada, a chuva, tudo culminou num transe, transa, lisergia, dali pra qualquer lugar que tu me transportasse eu iria com um pé atrás do outro, maleável e termoplástica ao teu tato, ao teu paladar.

os vidros embaçaram e tudo fora daquele carro desacelerou um pouco: as pessoas não viram, as folhas não caíram, os sons calaram. só o tempo não foi tão generoso, não quis parar pra nos contemplar, mas soube chover pra gente ter que procurar um teto, pra gente se isolar e ter aquela privacidade de um ambiente fechado, tu um teto e algo acolchoado. agradeço às luzes por te iluminarem o suficiente pros pingos de chuva no vidro refletirem no teu rosto, pelos faróis dos carros na avenida clarearem a ti às vezes me pedindo permissão, de olhos fechados e me fazendo pedir por mais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.