é meio absurdo como as vezes a gente se deixa abater por coisas pequenas e sem importância, atualmente o virtual é quem reina e fora da corrente de falsas notícias e falsos admiradores a realidade é um tanto quanto, droga não consigo achar uma palavra certa pra definir o que eu gostaria de dizer, de qualquer modo, atualmente curtidas e comentários são a fonte de auto-estima da maior parte das pessoas, o fato de não conseguir nenhuma curtida causa um gatilho interno para que as pessoas comecem a duvidar de si mesmas vendo defeitos onde não tem, numa geração onde o narcisismo extremo e a autocrítica prejudicial são as únicas coisas que movem os jovens, o fazer algo ou lutar por algo se transforma instantâneamente em uma autoavaliação de quão 'cool' se é nas redes sociais.

é a penas minha visão, na verdade é uma autoavaliação de mim mesma, me peguei pensando em como certas coisas sem importância me deixam de uma forma tão estranha comigo mesma, como o fato de eu não estar na minha época mais 'cool' faz com que eu me sinta menos do que eu sou de verdade, como um ou dois cliques podem dominar a forma como eu me sinto e vendo isso dessa forma eu não me sinto nada mais do que um corpo sem vida que é movido por ações alheias, em contrapartida eu me vejo percebendo isso e talvez na verdade eu seja só mais uma adolescente pouco segura de si que se afeta com coisas tão sem valor como números de cliques de pessoas que talvez não se sintam tão seguras de si também.

no final eu acabo sempre num breu de mim mesma, sem entender por completo o porque eu me deixo afetar por coisas tão sem sentido e porque ainda me dou ao trabalho de escrever sobre isso na esperança de que em algum momento eu chegue a entender perfeitamente quem eu sou e porque e porque eu fui quem eu fui em outras épocas.

no fundo ninguém é tão 'cool' porque 'cool' talvez seja só uma invenção do capitalismo pra vender coisas e forçar as pessoas a se dividirem em grupos sem sentido quando na verdade todo mundo é muito parecido.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Izabella Santana’s story.