Somewhat golden

you’re always made up

Abri uma foto antiga e tomei uns tapas de sentimento na cara:

Vocês realmente me achavam bonita, legal, inteligente, maravilhosa? Boa o suficiente pra estar com vocês? Realmente sentiam orgulho das minhas conquistas, comemoravam minhas vitórias e se preocupavam com minhas derrotas?

Quanto mais o tempo passa, preciso de menos gente que seja assim. Preciso de pessoas que são poucas em quantidade mas que preenchem espaços no meu coração em silêncio.

Eu não escrevo pra mais ninguém, eu escrevo pra mim, pro meu auto conhecimento, e algumas coisas tudo bem todo mundo ler. Tudo bem achar que estou falando de uma situação específica, e pode até ser, mas ao mesmo tempo falo de todas as que já aconteceram comigo, pois não foi a primeira vez, e eu não esqueci, tampouco perdoei (sou capricorniana assim), mas também não gasto mais meu pensamento com isso, exceto pela corriqueira lembrança aqui e ali.

Eu gosto de compartilhar o que sinto e o que penso, e gosto de aprovação. Acho que é isso que me motivou a abrir o Medium para escrever isso, a prova de que, no fundo, eu me importo, sim, eu me machuco, mesmo estando bem perto de parar de me importar. Eu não deixo nada quieto, e é um defeito com o qual eu já me acostumei, já aprendi a conviver e às vezes consigo até evitar, mas acho mais produtivo aceitar e pensar nos motivos.

Cada texto que eu posto é tão desconexo e tem um estilo tão meu e me dá tanto medo de publicar. Toda vez, sem exceção, eu derramo meu coração nessas páginas e é por isso que não faz sentido pra ninguém, só pra mim, mas mesmo assim eu quero encontrar quem se identifique com um pedaço ou outro. Eu não gosto de drama (e self loathing) mas consigo fazer um muito bem feito, do tipo, se tivesse competição eu ganhava. Engraçado que quando eu tô realmente muito chateada a minha reação é silenciosa, é incrédula. Só depois de racionalizar o que aconteceu que ela se torna passivo-agressiva e assim permanece. (Eu não gostei desse parágrafo)

Do tipo, eu não escrevo pra mais ninguém, só pra mim, mas eu quero que vocês gostem porque aí vai significar que gostam de mim também.

Na maior parte do tempo eu só quero ficar na minha. Tem quem diga que eu sou de boas. Nem sempre, mas se eu pudesse seria sempre, sim. Conclusão o suficiente. ?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.