UM TROPEÇO MUITO VALIOSO NA MINHA VIDA

As últimas 36 horas me ensinaram muito. Esse texto não tem um intuito de me explicar ou rebater qualquer crítica. Eu estou aqui para me abrir, pedir desculpas e compartilhar o que eu senti nesses últimos dias.

Quarta à noite colocamos no ar uma campanha de financiamento coletivo com poucas informações para uma nova hamburgueria em SP. Foram criadas mais de 15 recompensas para aqueles que contribuíssem, sem ter explicado o conceito por trás de cada item. Elas variavam desde R$ 60 para receber um kit com o lanche, adesivo, chaveiro, camiseta, boné e passaporte carimbado, R$ 300 para ter acesso a conteúdos exclusivos do processo de construção da hamburgueria, até R$ 10 000 por uma experiência gastronômica no Peru, com passagens e hospedagens inclusas.

Quinta-feira essa campanha se tornou um dos temas mais falados do Brasil, repercutindo fortemente no Twitter e em outras redes sociais. Decidimos tirar a campanha do ar, reembolsar as contribuições que já haviam sido realizadas, e focar em esclarecer uma série de falhas de comunicação da nossa parte.

Quem me acompanha de perto sabe que sempre prezei pela transparência, honestidade e que tenho um DNA de colaboração e fazer juntos. Queria ter escrito esse texto logo que a primeira crítica apareceu, mas entendi que não era hora disso. Era hora de ouvir.

Um dos principais sentimentos que tive foi de decepção comigo mesma por não ter feito as coisas como sempre fiz. Vivo minha vida em um constante malabarismo, e quando estou confortável, me desafio a fazer algo além para evoluir e aprender mais, sempre compartilhando meus aprendizados. Muitas vezes isso leva a uma necessidade de saber trabalhar no improviso, constantemente melhorando projetos a medida que aprendemos com eles. Gosto de lançar um esboço até mesmo quando já temos grandes planos, e testar de forma controlada.

Dessa vez, não foi possível testar de forma controlada. Eu devia ter percebido que, mais do que tomar uma magnitude grande, esse projeto transbordaria para fora das nossas redes e para além dos mundos com os quais estamos acostumados a lidar. Assim que isso ficou claro, senti uma agonia comigo mesma porque sabia que, dentro do nosso teste, as informações não estavam 100% claras. Pelo contrário, faltava muita coisa. E quando a informação não está clara, abre espaço para todas interpretações que rolaram nesses últimos dias, e assumo completamente a culpa por isso.

Nesse momento, experienciei algo que realmente me distanciou de mim mesma: não fui prática. Na minha vida não tem mimimi, aconteceu alguma coisa, pode falar rasgado. Assumo o melhor da pessoa, não o pior, e vamos tentar resolver. Quantas vezes não abri um Live e dialoguei publicamente com muita gente, aprendendo junto, crescendo junto. Normalmente, não tenho medos ou receios, mesmo nos maiores desafios. Pelo contrário, adoro sentir dores que me façam crescer.

Mas dessa vez, diante de coisas que sempre foram muitos práticas para mim, senti um receio incomum. O melhor era falar que reconheço que só 10% da história foi contada e revelar imediatamente os outros 90%? Ou o melhor era assumir que não interessava o quão incrível os outros 90% eram, já que, como eles não estavam claros de largada, as pessoas talvez achariam que foi algo inventado e reativo, e não algo genuíno, que existia desde o início?

Mais do que isso, me senti extremamente preocupada em como cada ação poderia repercutir não só em mim, mas em outras pessoas muito próximas. No meio de um furacão, como resgatar uma vontade gigante de potencializar ainda mais tudo que o Léo construiu com a sua humildade e talento? Ele é um ser humano incrível e muito merecedor. Em uma situação que nunca vivenciei antes, toda resposta pode acabar por ser um novo teste, e também não era hora de novos testes.

Uma outra coisa que percebi foi que não me coloquei no lugar das pessoas que estavam vendo o projeto totalmente de fora. Às vezes nos apaixonamos tanto por um projeto que ficamos cegos por ele. Fazia meses que nos encontrávamos para desenhar detalhes de uma experiência completamente diferenciada na hamburgueria (e que erramos massivamente em não explicar em detalhes na campanha), e isso tudo estava na minha cabeça de forma tão óbvia, que ignorei pontos extremamente relevantes. Por exemplo, para quem não tinha contexto algum do negócio, o fato de um dos sócios ter recebido um prêmio na mesma semana pesava muito.

Aprendi milhares de coisas nesses últimos dias, e sinceramente acho que esses acontecimentos podem acabar por ser um dos momentos mais importantes da minha vida em termos de crescimento pessoal e profissional. Por isso quis parar e ouvir.

Como sempre fiz na minha carreira, eu quero compartilhar esses aprendizados em detalhes com vocês, porque todo mundo que decide fazer algo novo tem chances de errar, então convido vocês a aprender também com os erros dos outros. Os meus erros.

Mesmo que eu tenha cometido uma falha na organização e planejamento desse projeto, o meu compromisso sempre foi mostrar que todo dia encontramos uma escola viva de aprendizados que podem nos ajudar a tomar ações mais certeiras.

Resumo disso tudo: ainda queremos compartilhar todas as informações do projeto com vocês, mostrar com detalhes onde erramos, e principalmente mostrar que é possível sim inovar em um segmento que parece extremamente tradicional. O projeto não foi para o beleléu ;)

Para finalizar, deixo aqui dois pedidos. O primeiro e o mais importante: desculpe pela falta de informação nesse projeto. Eu me comprometo que diante de cada projeto, eu irei publicar em primeira mão o propósito principal por trás disso.

Segundo pedido: vamos aprender juntos. Temos muito a aprender com essa história, tem muita gente já acompanhando esses capítulos, então vamos transformar em algo relevante para todos. Quem quiser entender melhor o que ocorreu, o que aprendi e os próximos passos, vou fazer um Live na segunda às 9h, e estarei de peito aberto para receber até mesmo os críticos mais fervorosos.

Agradeço àqueles que contribuíram com a campanha, que mandaram mensagens de apoio e que tentaram entender o que tinha por trás da ideia antes de atacar.

Todo dia, me coloco em diversas situações, sempre visando crescer e aprender mais, e vira e mexe essas situações revelam coisas extremamente relevantes.

Dessa vez, além de aprender por revelação, aprendi também por trituração :)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.