O Café e a Sereia

“Uma xícara de café não é só uma bebida, é uma experiência”, diz ela.

Seus olhos chegam a brilhar quando fala de café.

“Agora, feche os olhos e venha comigo!”

Ela segura os grãos de café e começa a moer, como se estivesse colocando sua energia naquela ação.

“Sinta o cheiro”, diz ela, quando coloca o pó no coador e despeja a água quente. “Está vendo? É como viajar para a terra das sereias e se deixar levar pelas ondas”

“Posso provar?”

“Deve”. Ela termina de filtrar a bebida e serve uma xícara generosa.

Esqueço a falta de sono dos dias anteriores, o estresse da manhã, as angústias e ausências. Tomo o primeiro gole e sinto aquele gosto me inundando. O coração se prepara para correr e o corpo se aquece, como um abraço envolto em cobertor.

“Era isso o que eu estava precisando”, digo a ela.

“É claro que era”

Continuo tomando e quando eu fecho os olhos, me sinto transportado para outro lugar. Meus pés estão na areia. Sinto os grãos me arranhando delicadamente. Olho para o mar e lá está ela, nadando. Ela volta para a superfície e sua barbatana se balança pelo ar.

“Quer mais? Venha buscar!”, ela pula de um lado para o outro.

“Sim, por favor!”

Escuto o som da xícara se enchendo da bebida.

“O que estávamos falando?”, diz ela.

“Sobre a magia do café”.

“Certo. Não são todos os dias que isso acontece, mas quando nos conectamos com a energia da bebida, somos levados para onde desejamos. O que você viu?”

“O mar. As ondas. Pés na areia e sereias”

“Está esperando o quê? Coloque sua cauda. Você pode ser quem você quiser!”

Abro os olhos. Nenhum sinal da cafeteria. Estou dentro da água. As espumas me lambem, como filhotinhos de cachorros pedindo atenção.

“Onde estamos?”, pergunto.

Não há nenhum sinal dela. Só eu e minha xícara vazia, até o dia em que a sereia virá me visitar mais uma vez.

Este conto também foi publicado no Wattpad. Já está me acompanhando por lá? https://www.wattpad.com/user/benoliveira

Quer me apoiar? Compre o meu livro de terror Escrita Maldita, disponível na Amazon.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.