Vem! Mas vem devagarzinho.

Aquela euforia que a gente tem em saber o máximo da pessoa no mínimo de tempo possível geralmente faz com que nos cansemos antes de hora.

As vezes quando nós começamos a conversar com uma pessoa, tudo flui de uma forma tão fácil, tão simples, que é como se um já soubesse o que o outro gosta antes de se conhecer de verdade, já de cara. Mesmo quando um discorda do outro, tudo é levado numa boa. A cada nova conversa vem a impressão de que já nos conhecemos a muito tempo. Chega a dar um calor no peito, as mãos suam, e aquela vontade louca de se falar mais e mais, só aumenta.

O problema é que normalmente, quando tentamos saber de tanta coisa em tão pouco tempo, a gente acaba tendo a impressão de que não há muito mais a descobrir sobre o outro, fica parecendo que já sabemos de tudo. A magia de desbravar o desconhecido começa a se esvair.

Dependendo do ritmo, todo o assunto acaba se esgotando rápido demais, então começa a surgir um desinteresse que só cresce. Em pouco tempo, ambos são apenas dois estranhos novamente. A única diferença é que são dois estranhos que sabem de uma forma geral, quase tudo o que o outro gosta.

Com você eu quero que seja diferente. Tem de ser diferente. Não quero que nos esgotemos assim, tão rápido quanto duas pilhas do brinquedo novo que foi presente de natal. Quero te descobrir devagarzinho, com calma, sem pressa.

Vem! Mas vem devagar. Essa pressa toda só vai fazer a gente se cansar um do outro muito rápido.

Quero te conhecer pouco a pouco, dia a dia, e quero que você me conheça assim também. Não temos nem porque fazer tudo assim tão depressa. Quero que os nossos momentos durem bem mais do que meros instantes.

Por mais que eu tente, eu não vou conseguir te mostrar tudo o que sou apenas com palavras, elas são muito limitadas pra que possam descrever alguém com precisão.

Eu tenho exata certeza que você é muito mais que uma série de qualidades e defeitos que você me diz ter, alocados sob a moldura uma pilha de fotos do Instagram. Eu quero conhecer o seu verdadeiro eu.

Quero sentir o calor do seu abraço, sem tempo contado pro final.

Quero poder gravar o seu cheiro na minha mente, e posso lhe garantir que nem com todas as palavras desse mundo alguém pode descrever como ele é, nem mesmo você. Por isso, vem devagarzinho. Permita-me te conhecer assim como eu quero que você me conheça, assim não corremos o risco de perder a chance de desfrutar muitas outras experiências que poderíamos ter apenas por termos nos limitado a simples palavras.

Vem! Eu te espero!

Vamos juntos. Sem pressa. Apreciar o caminho às vezes é tão bom quanto chegar ao destino final.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.