Comunicação — Um pilar do trabalho remoto

Trabalhar de forma remota é uma situação desejada por muitos profissionais do mercado principalmente de freelancer. É uma situação ao mesmo tempo cômoda e desafiadora, que nos dá felicidade e satisfação e mas cobra dedicação e esforço.

Trabalhando de forma remota, tanto nós desenvolvedores, bem como profissionais de outras áreas, ficamos distantes fisicamente dos nossos clientes (ou empregadores) no nosso dia-a-dia, porém não é por isto que devemos nos afastar deles.

O trabalho como freelancer é algo que ainda gera muitas dúvidas e revela muitas desconfianças para muitas pessoas e empresas e, também, aos profissionais que queiram se aventurar neste formato de trabalho. Mas não é por menos, até então todos os profissionais da empresas encontram-se reunidos em uma ou outra sala, onde, através de um aceno, um grito ou até um rápido telefone pelo ramal, no próximo minuto podem estar conversando e trocando ideias cara a cara. Esta é a forma mais tradicional e mais utilizada no mercado, utilizada nas empresas de TI até os dias de hoje.

Mas os tempos mudam, no mundo de TI tudo anda muito mais rápido, novidades são apresentadas todos os dias e, até mesmo nos processos e formas de contratação, apesar de não tão rápido, mudanças também ocorrem.

Uma das novidades na questão de formato de trabalho hoje em dia é o trabalho remoto. Ainda muito desejado, ainda muito visto como vida fácil, ainda muito místico, já está se tornando uma realidade aqui no nosso país, no exterior já vem sendo mais amplamente utilizado por suas facilidades tanto na contratação de profissionais, dos melhores profissionais, quanto na execução por profissionais dedicados e estudiosos.

Mas a questão aqui não é avaliar de fato o trabalho remoto no Brasil, mas sim tocar em um ponto muito importante e que, para mim, é um pilar para o bom trabalho remoto ser executado: COMUNICAÇÃO.

A boa comunicação no trabalho remoto é uma obrigação de duas vias, tanto do contratante quanto do contratado. Mas por que ? Justamente pelo que mencionei alguns parágrafos acima: as dúvidas e desconfianças que este formato de trabalho ainda gera nas pessoas.

O bom profissional remoto começa com sua boa comunicação desde a primeira conversa com seu cliente, é necessário SEMPRE deixá-lo ciente de tudo que você é ou não capaz de fazer, deixar muito claro qual sua disponibilidade para fazer o trabalho, dar um orçamento o mais correto o possível, não adicionar inverdades ou soluções mirabolantes para o problema, e principalmente responder todas as dúvidas dele. Isto é um acerto inestimável, tanto para manter seu cliente quanto para não dar o famoso “tiro no pé”, pois tudo que você disser ou prometer você será cobrado posteriormente, pode ter certeza.

Durante a execução do trabalho, é igualmente muito importante manter a comunicação por conta dos fatos que a vida nos faz passar, problemas podem ocorrer, sejam pessoais, sejam técnicos, seu cliente deve estar confiante sempre sabendo que você o manterá a par de qualquer atraso, de você o avisará de qualquer necessidade de requisitos que possa ter e tudo mais.

Da mesma forma, seu cliente deve se comprometer de avisar-lhe qualquer mudança de planos para o produto, primeiro para que você possa se programar e ajustar o trabalho para dar o seu melhor nesta nova situação, segundo para que você pode também informá-lo se haverá mudança no valor já acordado, e terceiro para que você também possa confiar de fato na nele.

Uma confiança mútua deve haver ai, contratado→contratante, contratante→ contratado. Ambos os lados devem estar muito sossegados e cientes de tudo que ocorre que seja pertinente ao trabalho contratado para que a experiência ocorra sem problemas entre as partes do início ao fim.

Um cliente que não paga na data prometida, que muda planejamento ou produto de última hora, que não conversa com o profissional para alinhar novos caminhos ou dificuldades, que não cumpre promessas que foram feitas, bem como um profissional que não avisa de atrasos, que não avisa dificuldades ou novas necessidades, que não entrega os produtos no prazo, que também não cumpre com as promessas feitas não externam confiança, causam mal a si mesmos, pois, eu não gostaria de ser nem o profissional nem a empresa que é mal falada. Pois é, a tal “rádio corredor”, que na verdade não é no corredor, é online, acontece neste meio também, ficamos sabendo quais as empresas que se pode ou não trabalhar como remoto e as empresas ficam sabendo quais os profissionais não são de tanta confiança.

Um profissional que sabe se comunicar tem geralmente uma vantagem sobre os outros, ele ganha a confiança do mercado, ele consegue montar e manter sua rede de contatos e clientes, geralmente será muito bem visto por todos. Um bom profissional deve sempre fazer de tudo para conseguir manter sua palavra, pois em ambiente remoto não se tem o “olho-no-olho” que geralmente diz bastante sobre as pessoas, uma conversa por skype não é a mesma coisa, então a sua palavra é tudo que você tem na maioria dos casos.

Claro, há quem diga que se tem também a forma jurídica ou judicial da coisa, contratos, cláusulas, etc e tal, mas eu não creio que isto vá garantir muita coisa para você freelancer, claro existem casos e casos e não descarto isto, mas acho que não deva ser o foco.

Em fim, comunicação é muito importante, e o grande resumo e lição de tudo é: Informe e mantenha-se informado! Cliente e profissional devem ser quase amigos neste quesito, e isto vale também para o time de profissionais que trabalha com você. Um time competente e conhecedor de todos os detalhes conseguirá ir muito mais longe.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.