Não se vá

O telefone toca. Sou tomada por uma alegria contagiante, pois aquele meu “amigo”, com o qual eu não falo há anos, está a me convidar para um café. Acho a ideia ótima, afinal, poderemos colocar a conversa em dia.

Café.

Ele me fala do seu projeto, pede uma consultoria e uma ajuda. Já alerta que tem pressa, precisa fazer logo, pergunta se eu posso ajudar. Claro, eu respondo. Eu sempre posso, ainda que isso signifique dormir apenas 2 horas por dia. Eu sempre posso. Eu sempre dou um jeito. Eu não digo não.

Seguimos alguns cafés, todos, claro, para discutir o seu projeto. Envio algumas propostas e é isso. No meio desse projeto, surge uma reunião da empresa, preciso viajar. Fico alguns dias fora. Tudo bem, afinal, para mim estava tudo bem.

Eis que a pessoa me manda uma mensagem sugerindo que não estou com tempo e que já está desenvolvendo o projeto com outro amigo. Ok. Diz que não quer me ocupar e nem me atrapalhar. Ok. Mas será que ele se lembra que ele deveria ter aprovado aquele material que cuidadosamente enviei antes da viagem? Ok. Ok. Ok.

Desde esse dia não falei mais com meu amigo. Talvez a amizade existisse apenas por um interesse. Não sei. Até pensei em lhe convidar para aquele show divino-maravilhoso, mas lembrei de que ele não estava Atento aos Sinais e talvez não pudesse comparecer. É um show para pessoas de coração quente. E, inesperadamente, pude ir na companhia de uma pessoa incrível, ao lado da qual eu não consegui segurar as lágrimas, pois as imagens descem como folhas enquanto falam, pois eu sei, o tempo é o meu lugar.

nvm illustration

A cada dia eu reduzo o meu grupo, já quase inexistente, de “amigos”, por situações como essa; por encontros inúmeros cancelados, sem retornos; por pessoas que te sugam; por ausência de sinceridade, de interesse; etc.etc. Entendemos que a vida moderna nos coloca em um constante duelo com o “tempo”, mas se faça presente.

Amigos são aquelas pessoas que escolho a dedo, pois não permito a qualquer um entrar na minha vida. Se eu escolhi você, por favor, não se vá. Volte, se tiver motivos para isso.

Um café?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.