Saiba quando uma mulher quer um homem (resposta ao Xico Sá)

Crônica do amor imbecilóide, confesso, não tem jeito

Quando uma mulher está a fim de um homem, de fato, ela não tem dia, noite nem hora. Ela vai mesmo. Solteira ou casada, viúva ou amigada. Ela vira bicho no cio, juro.

Reunião, almoço com amigas ou despedida de solteira, aliás, são mentiras no caso das compromissadas. Ela inventa histórias detalhadas, incluindo fofocas, para desfocar a atenção do marido, já cornudo, que não está mais caindo na desculpa da dor de cabeça ou cólicas menstruais.

Se quer, vai. Pode levar alguns dias, mas ela vai. Não desiste, fica obcecada, cria diálogos completos com o cara amado por toda uma vida, começando no pré-primeiro beijo até o velório (dele, é claro), onde, vestida de preto com um véu cobrindo os cabelos amarrados em um coque-banana, ela chorará lágrimas como corredeira de rio bravo e balbuciará palavras de amor inteligíveis ao defunto.

Quando uma mulher está a fim, ela esquece qualquer comportamento social. Acredita que ninguém percebe, mas, quando ele passa, o mundo inteiro congela e só ele se move. Chega a salivar, borrando o batom vermelho e, por dentro do tórax, ondas de um tsunami correm de cima para baixo e ao contrário.

Ela muda: paralisa e age, age e paralisa. Vira um jogo de amor e sexo, misturado com incertezas e dúvidas. Conversa com todas as amigas — inclusive as que conheceu ontem — sobre o que deve fazer: manda ou não um Whatsapp ou é melhor uma mensagem no Face? E se ele não responder, deixá-a no vácuo do mundo virtual? E quando ele responder, o que será que quis dizer? Será que ele está a fim? A fim de quê: uma trepadinha ou um relacionamento mais sério? Ah, ele escreveu “talvez”. Taí, ele não está a fim. E vai dormir com a certeza, e acorda sem ela. E se ele disse o talvez por que está inseguro? Joga a questão no grupo do Whats das amigas e recebe, em poucos segundos, 103 mensagens. Abre todas, mas não consegue ler nenhuma.

Quando ela quer mesmo vê todos os filmes românticos e lê os livros da Austen. Chora até com o amor da Noviça Rebelde e do Capitão von Trapp. Se perguntada por que chora, ela dirá apenas que é lindo.

Ela vai com o homem, possivelmente um colega da firma ou da academia, a um restaurante japonês e se esconde na última mesa, lá no fundão, à meia-luz. Não sabe se e onde coloca as mãos. Ao sair, usa os óculos escuros e a capa Sherlock com a gola levantada, mesmo sendo a semana de calor em São Paulo.

Quando ela está subindo pelas paredes, convida o cara para o apartamento, ajeitadinho, que acabara de comprar. Por debaixo da capa Sherlock, tem uma cinta-liga vermelha — que funciona também para esconder a barriga pouco malhada — combinando com o corpete preto, por que o amante é são paulino. Não tira o salto alto jamais (a altura pode ser uma questão na vertical).

Quando a mulher está a fim, seja para o que for, ela se transforma em uma legítima imbecil. Pode ser Phd em Filosofia e Literatura, mas, na hora de abrir a boca, confundirá Platão com Paulo Coelho e não terá mais certeza de como se pronuncia o nome de qualquer escritor russo do século XIX. Nem adianta dar um Google, ela virou uma ameba.

Faxina o apartamento e o enche de flores, mesmo tendo alergia ao pólen. Decora o nome delas — lírio, crisântemo, astromélia — para mostrar o lado feminino que acha ser obrigada a esconder sob o tailleur no escritório. O que aquele bando de homens pensaria dela se desmunhecasse em uma apresentação? Espalha cheirinho de alecrim pela casa para espantar assombração e acende velas de aromas e diferentes cores — lera sobre o poder da cromoterapia na Claudia, enquanto fazia as unhas no salão.

Quando a mina está na tua, fica abobalhada. Tropeça, fica no mundo da lua, divaga sobre o amor e chora, ri, chora em qualquer situação. Está muito sensível. Permite tudo. Pode até fazer sexo na poltrona do cinema, na sessão de Star Wars no domingo, à tarde. Não importa o que e quem está à volta. Quando caiu na do cara, quer agradar, satisfazer. E ela se mostra. Deixa que ele a observe. Dá na telha. Não esconde. Quer que ele a veja nua de corpo e alma.

Mesmo as inexperientes se fazem de difíceis. Vocês acham que ela é uma dama e vão cheios de dedos. Mas ela sabe que devagar chegam lá. O que são algumas horas ou dias de espera para receber tudo? Tudinho.

Like what you read? Give Roberta Paixão a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.