117ª Edição

Revista Betim Cultural
Aug 30 · 4 min read
Rafaela Soares

Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses.
Rubem Alves

TIAGO HENRIQUE

O SILÊNCIO É A FALA

O ser humano
É um bicho falante
Até o mais calado dos Homens
Precisa conversar
Para não aprisionar seus monstros

O silêncio é uma porta de entrada para a sabedoria
E uma porta aberta para a loucura
É o desajuste e o ajuste emocional

Todo cuidado é pouco
Não saber se expressar é um perigo constante
Às vezes é preciso calar
Às vezes a solução é o inverso.

PAMELA SOBRINHO

NOITE DE LAMENTOS

Pela face dela,
branca e pálida como o orvalho
de uma noite fria de inverno
Rolavam gotas como de uma taça
Rios de lagrimas

Foram noites de soluços e lagrimas
de choros intermináveis e de falsas esperanças
promessas de um amor jamais cumprido
Como uma despertar tenebroso
Partiu seu coração e mil pedaços

Se foi, mas a sua lembrança na memória dela
segue viva como o fantasma de um anjo mal
Seu passado e o tumulo ao qual seu coração
encontra-se enterrado

No meio de sua melancolia, da sua tristeza interminável
e de sua palidez sepulcral
resolveu sorrir e seguir
Suas blasfêmias hoje maldizem o amor
suas lagrimas são confirmações das desesperança na humanidade
a vida e assim, uma poesia insana
Sonhando como a noite, cantando como anjos caídos
e dormindo entre as flores
que ironia mais amarga a vida que ela leva

Assim segue seus dias
com os ventos que passam pelos seus cabelos
murmuram as lembras de sua doce infelicidade

TARSO CORRÊA

MORTE DO POETA

A morte para o poeta não é física,
E sim de sentimentos;
Que se apresenta tísica,
Esquelética e ressequida,
Nublando a dor não sentida,
O amor não correspondido;
É viver e não ver,
A cor e seus matizes,
O cinza, suas sombras e cicatrizes;
É não abraçar, não viver e morrer,
É simplesmente se perpetuar em um só momento

LIVINGSTON MARLINSON

Click: Acabou o amor!
Foi numa tarde comum
De um dia qualquer
Ao som de Legião Urbana
E cerveja gelada

Pois, foi nessa tarde
Depois de mais um gole
Que passou um vento…
Estranho e fúnebre

Foi aí que percebemos
Que não se tratava de compromisso
Nem de anéis ou planos.
Era o amor… O amor que já tinha ido embora

E, não existe remédio
Para quando o amor vai embora
Aí meu amigo, é juntar os cacos
E seguir adiante.

GIULIANO SANTOS

Recomendado a tomar vergonha, não dormiu a noite em casa. Patroa virou o beiço, poupando o verbo, comendo bom dia. Já jararaca, mal esperou a lida esgotar, ainda cheirando a cimento, chorou feito menino quando a vergonha acabou. O jeito era pedir a outra. Depois da terceira tudo fica igual.

KELTON ALEXANDER

Meu cabelo carapinha

Cabelo ruim eles disseram
Até alisar me mandaram
Mas eles não mandem em mim
Amo meu cabelo deixei ele assim
Mil e uma utilidades apelidaram e eu deixei
Porém discordo, não são poucos corações que conquistei.

Meu Black Power é estiloso
Ao contrário da vibe insegura de alguém invejoso
Ele emite segurança e amor próprio
Não vou deixá-lo branco ao me estressar com seu ódio
É volumoso sim, cheiroso também
Se EU gostar do meu cabelo não é da conta de ninguém.

W.MOTA

RELEMBRE

Edições comemorativas:
01 | 50 | 100 | 10 anos

PARTICIPE

Envie textos de sua autoria para a Betim Cultural. Eles poderão ser publicados aqui na revista. Interaja também com sugestões, comentários e críticas: participe@betimcultural.com.br

Edição publicada por
Pamela Sobrinho
pamela@betimcultural.com.br

Apoio:

Você pode ler todas as edições da revista em:
1ªGeração2ªGeraçãoAtual

CONHEÇA O ♥ MANUAL VEGANO
Revista Betim Cultural

Written by

Para leitores conscientes. www.betimcultural.com.br

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade