RBC | Ed. 101

Imagem: William Mota
“E de repente é dezembro outra vez, e como um sopro de vento acabou-se o ano” (Autor desconhecido)

TIAGO HENRIQUE

O INVERSO DA VELOCIDADE 
 
Sempre que te olho 
Eu sei que te amo 
Por isso fico assim sem reação 
 
Sei que 
Se penso mais um pouco 
Me jogo nos teus braços como uma criança 
 
Essa paixão é automática 
Mas também trago minhas dúvidas 
 
Não pude contornar 
As coisas que não soube entender 
E a vida é assim mesmo 
Sempre segue 
Ainda mais quando ficamos parados.

PAMELA SOBRINHO

E assim quando eu assusto
O tempo já passou
Os dias correm na velocidade da luz

E de repente já é dezembro outra vez
E os dias correm feito vento
De repente a vida passou nos seus olhos

De repente eu não me reconheço mais no espelho
De repente eu não sei mais quem são aqueles que estão a minha volta
De repente tudo passou tão rápido e ficou a nostalgia

De repente já é dezembro outra vez.

TARSO CORRÊA

REFLEXO ATEMPORAL

Meu corpo não é meu,
Sou sofrido nesta roupagem que não me representa,
Neste claustro que me sufoca;
A alegria que banhava minha alma se perdeu;
Alimento este segredo, perdido no degredo;
No espelho o reflexo é desconexo,
Um silêncio no vazio,
Uma alma sem corpo,
Que torto vaga nas águas da maledicência, buscando um porto;
Rasgo em dores salgadas pelos rótulos pejorativos,
Buscando desembrulhar me dos adjetivos;
Sonhando com a liberdade,
De mesclar alma e corpo,
Iluminar meu pranto,
Descobrir deste manto;
Mas o medo me acalenta,
Pelo escárnio da sociedade,
Que me abraça e toca;
Sou igual e diferente,
No meio de tanta gente.

BRENDOW GODOI

FELINA

Ela vive no mais natural estado feminino,
Feito a virgindade de uma floresta tropical.
Selvagem e deslumbrantemente bela.

Cada curva sinuosa do seu quadril é a catarse
De um convite libidinoso e mágico.

Sonhei com ela na noite passada. 
Uma pantera nua, se esgueirando pela cama.
De quatro, ríspida, ao pêlo livre.

Então eu aterrissei a minha língua em cada centímetro
Do seu corpo felino e voraz.

Entrei fundo na felina.
Eu a vi se contorcer e cravar as unhas no lençol.
Eu a vi escorrer.
Escorrer.

Enquanto ela se debatia, eu metia fundo
E deixava a sua pele branca marcada pela insanidade
Do nosso grito escuro e pálido.

As paredes do quarto guardavam o mais lúdico dos encontros carnais,
Feito um santo graal medieval.

Senti a felina escorrer mais forte e gozar.
Rolei sobre ela e a chupei de quatro enquanto ela urrava.

Gozei e olhei nos seus olhos. Sorrimos.
Feito um cordão umbilical rompido, despertei.
Dei de cara com o silêncio de um quarto quente.
Quente, mas com o cheiro tímido de estrelas cadentes
Ruminando no meu coração marcado por suas garras.

LIVINGSTON MARLINSON

Andante
Não existem caminhos ruins.
Toda estrada leva a algum lugar.
Geralmente, as estradas de terra ou íngremes
Nos conduzem às mais lindas paisagens.
Caminhar é evoluir…

ISABELA CAMPOS

Doce criança
Um dia pude me questionar sobre o quanto era inocente 
O quanto achava o máximo observar as nuvens de algodão, 
Sobre a natureza e sua riqueza, 
Mas aquela multidão era a culpada 
Da extinção do belo do mundo 
Destroem a cada amanhecer o que lhes mantém vivo… 
Bombas, queimadas, gases 
Eles constroem o seu próprio suicídio 
Um bilhão de ações do governo 
Adivinha de onde vem o seu dinheiro? 
Vamos festejar e cortar mais árvores 
A natureza não sente, ela é irracional
Essa é a conformidade deles.

CRISTIANO DE OLIVEIRA

ALAN AMARAL

Tempo Perdido Podcast. Assuntos variados, bom humor e espontaneidade. Escute em: www.tempoperdido.com.br você também pode baixar o aplicativo Castbox para iOS ou Android e ouvir sob demanda.

ESPAÇO ABERTO

BRIAN TAYLOR

Anjo da bravura

Na mente ele age 
Levando a luz a seus pensamentos
Com seus traços de coragem 
Desenha o seu caminho 
Apaga seus temores 
E revive seus valores

Um anjo de bravura 
Que te inspira a levantar 
É a fortaleza que te sustenta 
É a força que te impulsiona a caminhar 
Não se trata de ser a chama 
Mas sim o combustível que te fará queimar 
O brilho não está no anjo 
Mas no ser que ele está a guardar…

No confronto entre a luz e escuridão… 
Na guerra entre o bem e o mau… 
Sua coragem será a espada, que dará o golpe final
 A causa de uma luta não justifica seus estragos 
Mas se deixar controlar pelo mal, é um dos maiores pecados…

LUCIANA CHAVES

“Meu Amigo Beija Flor” 
O corpo grita na tristeza da alma. 
Fragilidade da cura. 
Infinito é; os mistérios dos girassóis… 
Esperança é jardim pendurado no caos. 
Tintas de cores da vida, pincéis deslizam das mãos tremulas rabiscando fórmulas em um pano desbotado. 
Tudo se torna calmo, na calmaria de um olhar.

FILIPE CANAAN

CPF é meu número na terra
Nascemos e já somos adicionados à guerra 
Quem disse que eu quero ser documentado 
Só nasci, mas o governo me intitula como fruto recomendado

Quem disse? Quem disse?

Não ligo nem pra números, imagine opiniões 
Cuide dá sua vida e viveremos em legiões
Do me que importa as suas opiniões, pessoas mudam os jeitos para serem aceitos em grupos, até religiões 
Se usar um brinco não pode andar por regiões 
Corte de cabelo para definir quem são os ladrões 
Preocupados se seus filhos irão ser homossexuais invés de presenteá-los com peões

Se Epifania é descobrir como colocar internet em televisões
Minha única lisérgica vai ser quando me encomendarem caixões.

MARCOS SANTOS

Samba

Uma grande festa em comemoração.
Samba no sangue,
Cerveja no suor,

Vozes desafinadas do povo
Em harmonia com a realidade,
Crianças também cantam.

Velhos, jovens, homens e mulheres.
Todas as crenças e descrenças
Em periferias e hospitais.

Em todas as filas,
A voz dos inocentes.
Cantam os aflitos e oprimidos

E o mesmo samba
Cantam vítimas e assassinos
Que também são vítimas.

E a festa continua
Sem tempo 
Sem hora para acabar

Valiosos problemas sociais
Valem votos desse povo esperançoso
O poder em troca de promessas/palavras.

Valiosa ignorância acadêmica
Valiosa incapacidade de criticar ou enxergar
Uma velha e eficaz forma de manipular

Estão servindo migalhas ao povo que comemora
E sorridentes sonham
E sorridentes cantam sem enxergar.

WEB-CLIPES DE BETIM

SOBRE A RBC

PARTICIPE

Envie textos de sua autoria para a Betim Cultural. Eles poderão ser publicados aqui na revista. Interaja também com sugestões, comentários e críticas: participe@betimcultural.com.br

Edição publicada por
Pamela Sobrinho
pamela@betimcultural.com.br
Apoio:

Você pode ler todas as edições da Revista em:
Memorial 1
Memorial 2
Atual

Vamos lá, compartilhe!

MANUAL DO VEGANISMO