RBC | Ed.99

Imagem: William Mota
“E a arte é assim, uma mistura de cores, sons e amores. Retratada como denominador comum de todas as histórias, inspirados na arte de um novo amanhecer” Pamela Sobrinho

COLUNA DO TIAGO

www.thvirtual.com

MELHOR QUE OS SONHOS

Amores vem e voltam
Esses amores estão perdidos

Abra o coração
Sua idade mora no passado
Seu futuro vai aonde você permite

Há coisas na vida
Que são melhores que os sonhos
E essas coisas
São surpresas para quem não espera.

COLUNA DA PAMELA

Universo de Pam

E hoje eu desisti de sofrer por você
E hoje eu deixei de amar você
Hoje eu deixei de criar expectativas sobre você
Hoje, por hoje eu me amei, mais do que eu amei você
Por hoje, eu senti que me amar faria um bem maior
Hoje eu entendi o que é ser feliz
Felicidade essa que não depende de você
Só por hoje eu deixei de amar você

COLUNA DO TARSO

www.tarsocorrea.blogspot.com.br

LADAINHA DO SERTÃO

A terra rachada,
Como a sola dos meus pés,
A alma magoada, amarrada,
Engaiolada igual passarinho;
Ninho de aguapés;
A boca seca,
Vazia sem som,
Como o rio morto que não corre mais,
Terra de sal,
Pasto de cupinzal;
No horizonte as cores amareladas,
Como o fogo na terra, 
A dor de uma guerra, luta sem fim,
Carcaças embalsamadas, perdidas no solo,
Na cabeça os sonhos desfeitos;
Magoa que não passa e pereça;
Fonte sem água,
Crianças sem colo,
Assustadas de olhos esbugalhados e barrigas inchadas,
Arrastadas por suas mães, mulheres prenhas do sertão;
Os calos das minhas mãos,
Batem no cabo da enxada o cascalho,
Cavando nãos;
Em ritmos do suor molhando o chão;
Um vazio arranhado, desta terra abandonada;
Que ressequida choras suas lágrimas secas;
Destes corpos sofridos,
Que lutam os sonhos perdidos;
Na lamúria dos pés arrastados,
Das caminhadas pelo chão de terra batida,
Levando a lata na cabeça,
A água barrenta,
O pagamento pela resistência,
Sofre o povo,
Sofre o bicho
Bicho morre,
O povo resiste.

COLUNA DO BRENDOW

www.fb.com/ametafisicapoetica

Você sabe que eu sempre estarei em suas mãos.
Eu sempre serei um tolo por você.

Não importa quantas mulheres eu tenha,
ou quantas semanas eu permaneça na lista dos mais vendidos ,
nossas salivas estão entranhadas uma na outra.

Você sabe que eu sempre estarei em suas mãos.
Sabe que em cada dia de sol, eu vou agradecer a Deus 
por ser teu por mais um dia.

Você sabe que eu só escrevo poemas, porque tenho medo de te perder.
Você sabe que eu só bebo tanto assim, por insegurança.
Você sabe que por mais que você me machuque,
Eu sempre estarei disposto a te perdoar, 
porque os seus espasmos de desprezo
e violência me mantêm vivo.

Sei que um dia, você vai ter que me deixar.
Meus dedos silenciar-se-ão, e o nosso infinito,
se encerrará na pedra fria de uma lápide.

Você sabe que eu sempre estarei em suas mãos,
assim como tudo e todos também está.

COLUNA DO LIVINGSTON

Facebook/Contato

PRIMEIRO, PRIMEIRO PASSO

Sabe aquela foto de uma garotinha risonha dando um passinho desajeitado?
Aquela foto que você me deu, no ápice de nossa louca história?
Estrela cadente!
Ainda hoje, quando vejo, confesso… Me emociono.

No verso você dizia:

“Sempre darei o primeiro primeiro passo
na certeza de que você saberá trilhar todos os outros.”

Até imaginei que estivesse lendo dobrado.
“Primeiro primeiro passo”?Como assim?
Hoje, entendo que as palavras estavam postas no lugar certo!

Pois é! Acho que eu não soube dar os outros passos.
Acho que nós não soubemos.

Às vezes, na sua pressa de viver, eu te via como uma garotinha sem juízo, enfrentando o mundo.
Buscando, sobretudo a felicidade. Feita, basicamente de amor.

Tu eras uma menina… Que não calculava os riscos nem media consequências!
Eras uma menina doce, alegre e desapegada das coisas inúteis…
Uma menininha, que eu deveria segurar pela mão e mostrar o caminho.
Você achava que o mundo era o seu terreiro. Quem sabe fosse mesmo?!

Mas, eu também não compreendia o mundo.

Na minha busca por segurança deixei de segurar sua mãozinha.
Era você contra o mundo. E o mundo contra a gente.
Às vezes, tu eras mulher… E choravas. E eu, não sabia mais enxugar as suas lágrimas.

Lembro-me dos seus olhos castanhos úmidos, esperando de mim nada além de mim mesmo, corpo e alma.
Aqueles olhos me olhavam. E, sem me pedir nada, me pediam demais.
Esperavam muito de quem não entendia nada sobre a ternura.

Quem sabe aquele amor meteórico tenha sido o primeiro primeiro passo para aprendermos a caminhar melhor pelos caminhos da vida?

Tenho certeza de que hoje, caminhas confiante por ai …
Uma mulher madura, forte, e, com aquele doce olhar castanho da menininha que me pegou pela mão e, sem que eu pedisse nada me ensinou como ser o primeiro primeiro passo na vida de alguém!

COLUNA DA ISABELA

Facebook/Contato

Se o mundo estiver escuro, não se importe em se vestir de preto, pois modismo vem de uma alienação interior e não exterior!

ESPAÇO ABERTO

Luciana Chaves de Sousa Tiago — Facebook

MENINO DOS MEUS SONHOS

E tudo começou assim; caminhar, tropeçar no esforço de simpatias.
Nos braços, a alegria te sustentou na realidade do infinito.
O equilíbrio da alma te fez voraz no caráter e sensatez.
No faz de conta de criança, se torna crescido.
Ingenuidade, sutileza, leveza do sorriso autêntico.
Onde ser autêntico é Brega, ou diferente.
Não passa nem um conto e nem um ponto no tempo.
Crescimento, e entendimento…
Menino? Pra mãe o tempo é do berço, azul, rosa, branco.
Na calmaria do afeto, nos olhos do vento!…Passos de mãe.
Mãe de Maria, mãe de João…
Olhar de Paz!
Gratidão!

Homenagem ao meu filho que tem Síndrome de Asperge.
Ele tem hoje 33 anos.

Brian Taylor — Facebook

GESTOS

Não adianta dizer que sou tudo, 
Um “eu te amo” nem sempre resolve, 
O sentimento puro como a água,
O corpo deixa escapar sinais de paixão. 
Pra quem ama pequenos sinais se transformam em grandes gestos. 
Então vou saber que me ama quando 
Me ver refletido no brilho de seus olhos. 
Quando nossas vidas se iluminarem pela luz do teu sorriso, 
Quando nossas palavras se completarem, 
Quando seu toque alcançar mais que minha pele. 
Tua voz é a canção que faz meus medos desaparecerem. 
O espectro do nosso amor vai me mostrar que não estou sozinho, 
E mesmo que tudo vier abaixo, eu vou estar bem… 
Até o fim do mundo vamos correr, não importará onde estiver, 
Vou me sentir em casa, pois minha morada é você.

WEB-CLIPES DE BETIM

MENTO CULTURAL Convido-os para curtirem a página do William Mota, artista visual betinense, foi convidado para representar o Brasil na “Semana cultural Brasil-Noruega”. A exposição de arte aconteceu na primeira quinzena do mês de setembro de 2015 na cidade de Oslo, Noruega.

Em 2016, participou do Festival Internacional de Arte Contemporânea — Paratissima Lisboa, realizou Residência Artistica e fez 5 exposições em Portugal, sendo uma na cidade de Montijo e 4 em Lisboa.

https://www.fb.com/williammotaartistavisual

PARTICIPE

Envie textos de sua autoria para a Betim Cultural. Eles poderão ser publicados aqui na revista. Interaja também com sugestões, comentários e críticas: participe@betimcultural.com.br

Edição publicada por
Pamela Sobrinho
pamela@betimcultural.com.br
Você pode ler todas as edições da Revista em:
Memorial 1
Memorial 2
Atual

Vamos lá, compartilhe!