Sem glúten e vegano

Por intolerância ou opção alimentar.

Image for post
Image for post

A VIDA SEM GLÚTEN

Publicado originalmente por .

Há algum tempo venho observando alguns sintomas comuns entre meus pacientes e, lendo artigos sobre alimentação e comportamento fisiológico de nutrientes no corpo, resolvi fazer um teste e sentir “na pele” como seria a alimentação sem glúten. Tanto socialmente quanto fisicamente.

Quero deixar bem claro que segundo a opinião de alguns especialistas a DOENÇA CELÍACA é o único problema de saúde que exige a retirada total do glúten da alimentação. Segundo eles “Não existe base científica para condenar esse componente do trigo”, à não ser no caso da doença celíaca, não há evidências de que o glúten seja uma proteína ruim para o organismo de indivíduos saudáveis nem que tenha a ver com a obesidade.”

Para conhecimento geral, o Glúten é uma proteína encontrada no trigo, no centeio, na aveia e na cevada. Segundo médicos e especialistas, ao chegar no intestino o glúten transforma-se em uma espécie de cola, aderindo-se nas paredes intestinais. Com o passar do tempo, provoca saturação do aparelho digestivo, aumento da gordura na região do abdome, dores articulares, alergias cutâneas e depressão.

Para outros estudiosos, e também pela linha de pensamento que sigo em meu trabalho e que vou explicar aqui neste post, muito desses problemas de saúde estão relacionados ao consumo excessivo de alimentos ricos em glúten como pães, biscoitos, macarrão e bolos. Existem até queijos embutidos compostos por esse nutriente. Você pode estar pensando agora: “mas e o que comer no lugar desses alimentos?”. “Mandioca, milho e arroz no lugar do trigo importado, que faz tanto mal a saúde”.

Como explico sempre para meus pacientes: não é preciso ser celíaco (portador da intolerância total ao Glúten) para sofrer com a irritabilidade do Glúten: o corpo responde de diversas maneiras: obesidade, síndrome de resistência à insulina, deficiência de cálcio, alergias, diarréias e doenças auto-imunes. O excesso de glúten sinaliza com um metabolismo lento, favorecendo bactérias que gostam de calor e estagnação.

A exclusão ou restrição ao glúten está sendo bastante utilizada, pois o emagrecimento e a redução de gordura na área abdominal é comprovada na prática. A alimentação é normal, existem pães de aipim e de milho, macarrão de arroz e cookies de soja.

Atualmente estou fazendo essa restrição, que chamo de dessensibilização ao glúten, por um período de três meses no qual não estou ingerindo nenhum dos 4 cereais — trigo, centeio, cevada e aveia. “A ideia inicial é apenas retirar o glúten de alguns momentos do dia, ir progredindo aos poucos. Você pode comer um pãozinho mas o excesso pode alterar todo o seu metabolismo, baixar a imunidade do organismo e levar doenças.

Intestino sem glúten permite maior produção de serotonina, consequentemente diminuem sintomas de irritabilidade, depressão, cansaço e inchaço. As dificuldades no começo desta nova etapa (não gosto da palavra dieta) podem aparecer apenas em momentos sociais, por isso uma boa dica para ter o sucesso esperado é a ingestão constante de frutas frescas e secas, que além de leves são nutritivas e de baixa caloria.

Sinceramente, não tive nenhuma dificuldade, até o momento, nem mesmo, e justamente por ser corredora, no “jantar de massas” que todos temos na véspera da competição. Encontrei diversos tipos de macarrão (a base de milho e arroz, ou mandioca) e receitas de molhos saudáveis, sem precisar ingerir glúten ou prejudicar a performance.

A melhor escolha é ir ao nutricionista e solicitar a ele os alimentos sem glúten, receitas, substitutos, quantidades e opções de convívio social.

Problemas relacionados ao consumo de glúten:

· Intolerância alimentar: o glúten é uma cola que adere as paredes intestinais e vai bloqueando o funcionamento do intestino. Os primeiros sintomas são intolerância alimentar, desconforto abdominal, gases e retenção de líquidos.

· Obesidade: Com o metabolismo lento não se processa devidamente os alimentos tendo como consequência o acúmulo de gordura abdominal.

· Baixa imunidade: afeta o sistema imunológico favorecendo doenças autoimunes.

· Intoxicação e enxaqueca: o metabolismo estagnado dificulta a eliminação das toxinas elevando o risco de doenças como dores de cabeça e enxaquecas.

· Açúcar: Como o glúten é aliado do açúcar, sequestrador do cálcio, aumentam os riscos de osteoporose, cáries, ranger de dentes, insônia, hipertensão e colesterol alto.

Fonte:


RECEITAS

Vegano e sem glúten:




FABRICANTES E LOJAS ONLINE

• Schär • Marilis • Bem Nutrir • Empórium • CasaVeg

Importante: Verifique a lista de ingredientes antes de preparar ou comprar e consumir. Dentre os links relacionados existem alguns mais amplos que não englobam exclusivamente o veganismo. Em determinados casos adapte o necessário a receita ideal.


Nutrição









Image for post
Image for post

Você pode ler todas as edições da Revista em:


Vamos lá, compartilhe!

Image for post
Image for post

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch

Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore

Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store