Às cicatrizes

Prefiro ser quem sangra a ser quem omite. Prefiro ser quem pula do precipício mesmo que no final não sobreviva à queda. Prefiro ser quem age por impulso, não quem age pelo medo. Prefiro transparecer minhas verdades e vulnerabilidades a viver me escondendo de quem sou. Prefiro não, só sei ser assim.
Carrego vidas infinitas dentro do meu peito. Vidas que não me foram dadas, mas que eu criei porque tenho o poder de renascer.
Em meio ao furacão de sentimentos que é viver, peço que eu seja fonte infinita de amor. Que as rasteiras da vida não me tirem o dom de confiar. Que as decepções não amarguem minha doçura. Que eu não perca a coragem de amar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.