fim de expediente

pois você só vê que tá tudo perdido
quando encara de frente a cidade pulsando
suando
a cidade que está quase morta e sequer se dá o luxo de respirar por aparelhos

esse lugar nem cogita sê-lo
está parado na sombra do não lugar
entre o desfrute turístico comprista e o dormitório urbano

os burgueses nas ruas só pensam que andam
em verdade sequer estão ali
por trás dos sentidos anestesiados é difícil enxergar pessoas

e tem tudo a ver com o tapete que some abaixo dos seus pés
o diminuto e incrível instante em que você percebe que tá fodido
e que por mais alto que você esteja, não dá pra pensar em perspectivas

a vida é um tiro no escuro 
é bom se lembrar
eventualmente o tiro sai pela culatra e a queda é sempre num buraco sem fundo 

mas não se preocupe não
traz mais uma garrafa de cerveja
não há muito o que pensar
porque é tarde
e esse bar já vai fechar