agora mudo

nessa mudança exagerada em pouco tempo, nesse revés absoluto de planos objetivos e história passada / me pergunto algumas vezes nesse ínterim no meio dos senões de agora onde estão tantos ontens que até agora eram ontens de fato, mas viraram história de outra vida, fato de outra história, vida de outra pessoa,

sujeita

a não sentir muito mais que vazio como agora, esse agora sem ontens, principalmente sem amanhãs /

tudo isso enquanto se atravessa caminho sem mãos dadas viagem nem trilha sonora / enquanto são canceladas anuladas ou adiadas viagens, passagens e mais ainda certezas /

no meio das mudanças súbitas depois prolongadas, estáveis, estranhas, estando assim, sem palavra, sem dizer mais nada / no caminho sem sons nem trilha nem vozes, mudo,

todo esse agora.