em cálculos

não sei por quanto tempo mais, não prevejo mas sinto algumas certezas que são férteis,

pois que dia desses sonhei que eram mais oito anos pela frente; eu dentro do quarto com família e lá vem barulhos de dentro do quarto que tinha sido dos avós, avós já mortos, avós já idos, descansando sem que despertem, eram barulhos lá de trás e vinha vindo alguém, sentimos, sentíamos, amedrontamos e esperamos chegar e passar ou simplesmente cessar o barulho,

vinha eu em vestido azul, uma cor que não gosto que mal uso, vinha feito espírito recém feito, uma morta recém morta;

de dentro do quarto eu tentava gritar e não saía som nenhum e ninguém mais falava palavra; era doloroso entender o recado;

faz dois anos esse dia desses,

me pergunto se restam seis, se restam mais, ou até menos,

me pergunto se duro um tanto um mais, se aguento novas febres novos solavancos novas despedidas que não a de mim mesma,

se há seis anos ou pouco menos ou pouco mais, porque o corpo já denuncia bateria muito gasta, dores pelo tronco e gengivas que sangram e outras coisas que sangram também,

não sei se confio em melhoras, menos ainda em recuperar de todo,

já não iludo mais.