Editoras, valorizem seus blogueiros!

Eu já perdi a noção de quantas vezes já falei sobre como ser blogueiro é uma profissão de amor! Para todos aqueles que querem ser blogueiros porque acham que vão se beneficiar de brindes, dinheiro e fama, preciso lhes alertar rapidamente sobre essa utopia: isso é para poucos, bem poucos.

Sou blogueira (literária) há quatro anos. Quando comecei, não tínhamos essa febre de resenhas, nem essa quantidade absurda de eventos, nem booktubers (não como hoje!!), nem toda essa tal fama&glamour que parece ter se apropriado do mercado editorial. Na verdade, existia uma simples divisão: quem lia e quem não lia.

Logo que iniciei minhas atividades, estava pisando numa geografia desconhecida para as editoras e para os blogueiros. Nem sei descrever a emoção que senti ao receber minha primeira caixa com vários livros para o primeiro evento que fiz. O contato era basicamente assim: “oi, sou de um blog, vou fazer um evento e queria saber se vocês tem interesse em participar com algum livro para sorteio”. Magicamente, a resposta era positiva e o blogueiro recebia vários livros.

Quando a “febre” do mundo literário começou, graças aos bestsellers e às sagas que viraram roteiro em Hollywood, vi milhões de pessoas virarem leitores e outras milhares virarem blogueiros, vlogueiros e qualquer coisa que combinasse livros + mídias sociais. Não reclamo disso, ao contrário! Eu mesma comecei lendo livros que deram origem a filmes e acho que, com tanta gente lendo e querendo falar sobre suas impressões (lendo esses livros), conseguimos incentivar mais pessoas a ler e ao acesso à cultura.

Infelizmente, vi o mercado editorial se comportar assim: mais pessoas escrevendo em blogs = mais “oferta” no mercado = podemos selecionar as parcerias como quisermos. Os bons e pequenos blogs, que levavam a sério seu trabalho foram ficando para trás, perdendo parcerias, enquanto os blogs sem muito conteúdo ganharam destaque porque tinham mais likes ou seguidores. Até quem tinha várias parcerias percebeu uma queda nessa quantidade. O número de seguidores se sobrepôs à qualidade e, assim, vi os meus blogs favoritos “morrerem” porque não tinham tantos seguidores para compensar uma parceria com editoras.

O que o pessoal das editoras se esqueceu é que ser blogueiro é trabalho (99% das vezes) GRATUITO. Queremos falar do que gostamos, mas as vezes adquirir esse material é um custo bem alto. Estamos em crise e está ruim para todo mundo, eu sei, mas é complicado manter uma parceria hoje em que você receba um livro a cada três meses ou que a editora só ofereça marcadores (de livros) para um evento que você quer fazer, ao invés de um exemplar.

Eu nunca (N U N C A) ganhei um real de qualquer editora nos quatro anos de blog. Nem o pessoal da minha equipe ganhou. E, ouso dizer, quase nenhum dos meus amigos blogueiros ganhou. Ser blogueiro é uma profissão de amor, lembra? E nós não estamos fazendo isso por dinheiro! Será que custa muito para você, editora, apoiar o seu blogueiro e incentivá-lo?

Somos nós quem divulgamos em massa o seu trabalho, de forma gratuita. Formamos uma legião de fãs e leitores das SUAS obras, pessoas que se dispõem a comprar vinte livros de uma série, além de camisetas, canecas, bottons e todo o tipo de material que a envolva. Nós divulgamos os lançamentos, indicamos a leitura e persuadimos um leitor a ler o livro que vocês querem vender.

Então por que somos tão mal tratados?

Por que somos descriminados, ignorados, deixados de lado por vocês? Por que nosso trabalho quase não é reconhecido? Não estou falando de brindes ou cortesias, mas de um simples e-mail agradecendo à divulgação ou àquela resenha super apurada do livro que postamos. É ISSO QUE NOS FAZ CONTINUAR. E muitos de vocês sequer pensam nisso.

Nem penso em entrar agora na polêmica do “por que vocês estão demitindo o pessoal do marketing que fazia a ponte entre editora-blogueiro e nos incentivava a continuar o trabalho?” ou “por que vocês não investem mais no marketing, já que a maior parte dos livros não se vende sozinha?”.

Só quero deixar essa reflexão aos amigos do mercado editorial e das editoras parceiras. Valorizem seus blogueiros! Nós precisamos de apoio da mesma forma que vocês precisam do nosso!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.