O poder do momento

“Quando não tinha nada, eu quis.
Quando tudo era ausência, esperei.
Quando tive frio, tremi.
Quando tive coragem, liguei.

Quando chegou carta, abri.
Quando ouvi Prince, dancei.
Quando o olho brilhou, entendi.
Quando criei asas, voei.

Quando me chamou, eu vim.
Quando dei por mim, tava aqui.
Quando lhe achei, me perdi.
Quando vi você, me apaixonei.”

(Letra de “À Primeira Vista”)

Quantas vezes não estamos correndo atrás do que dizemos querer? Eu quero ganhar mais dinheiro. Eu quero ter sucesso na minha carreira. Eu quero abrir uma empresa. Eu quero poder me apaixonar. Eu quero encontrar meu sonho. Eu quero, eu quero, eu quero.

Quantas vezes paramos pra observar? Para sentir o momento e ver, o que realmente precisamos neste exato momento? Por que não paramos de correr atrás de um posto mais alto na empresa de marketing quando nosso sonho é pintar quadros? Por que não paramos de ir pra balada pra encontrar alguém e vamos encontrar alguém que goste das atividades que mais gostamos? Por que não paramos de trabalhar em vários empregos pra ganhar mais e mais quando tudo o que precisamos dá pra comprar com muito menos? Por que não paramos?

Parar para sentir o momento, olhar ao redor e entender o presente. Que música está tocando? Faz sentido dançar rock quando está tocando valsa? Por que não aproveitar o momento e tudo o que ele tem de bom, em vez de continuar nadando e lutando contra a corrente?

Por quê?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.