1 centavo todo dia deve ser um dinheirão.

Moeda de 1 centavo: cadê meu troco?

Voltei do almoço da firma com uma vontade danada de comer um doce. Entrei em uma rede de lojas em busca de uma guloseima. Pimba, encontrei lá aquele chocolate maroto para o aproveitar os últimos momentos da gloriosa hora do almoço. Ao olhar o preço, já desconfiei que seria vítima de um dos golpes mais sacanas da atualidade: o troco de 1 centavo.

1,79, 2,99, 5,99. Seja lá qual for o preço terminado em 0,99, prepare-se para um pequeno assalto diário se o pagamento for feito em dinheiro. Assalto que vem sempre acompanhado de um sorriso, de uma conversa rápida, de um obrigado. É um serviço de papel de trouxa, meus queridos. O papel vai ficando do tamanho de uma cartolina a cada centavo.

É tão normal deixar o centavo ficar no caixa que a gente nem se da conta que ele deveria existir. Pra falar a verdade, parece até feio cobrar a moedinha. Ao pedir o troco, parece que milhares apontam o dedo dizendo:

“Olha lá que cabra murrinha!”

Mas se você fizer a conta, tem gente ganhando muito com o nosso desleixo.

Ao comprar o chocolate para dar aquela rebatida no rango, eu deveria pagar R$1,79. Paguei com uma nota de 2 paus, já prevendo o golpe.

A situação é drástica amigos. Só resta ser duro e dizer não. Temos que aprender a conviver com aquele constrangimento gostoso, meus queridos. E é claro, não ceder aos encantos da balinha que compensa o centavo deixado de lado. Pode ter certeza que quem está rico ficou rico sem largar nenhum centavo pelo caminho.

Eu disse a moça do caixa, sem culpa na história (mais ou menos), que não, não queria bala, nem pirulito, nem Kinder Ovo (mentira), nem nada. Queria meu troco. Sem graça, ela acabou se rendendo e me entregando 25 centavos. Foi até além do troco real. Será que no fim do dia rola uma contabilidade disso?

Não que eu queria lucrar com esta operação. Acredito que você também não. Mas é impossível sair perdendo sempre. Até por que, moeda de 1 centavo é igual cabeça de bacalhau. E se tem preço 0,99, é malandragem mesmo.

Vamos cobrar?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.