Porque o mito da “transição juvenil como terapia de conversão anti-gay” não faz sentido

Por Zinnia Jones. Tradução de Beatriz Pagliarini Bagagli. Leia o texto original, em inglês.


(Leia também: When “desisters” aren’t: De-desistance in childhood and adolescent gender dysphoria; Do all trans youth on puberty blockers go on to transition?)

Uma circulação crescente de discurso anti-trans está agora ocupada com a afirmação de que uma abordagem afirmativa de gênero para a juventude que se identifica como transgênera, incluindo transição social e bloqueadores de puberdade, constitui uma forma de terapia de conversão anti-homossexual que serve para evitar que esses jovens cresçam para serem adultos gays e lésbicas cisgêneros. Esta possibilidade é sugerida em artigos como os de Debra Soh:

Dos garotos e garotas vistos em clínicas como a do Dr. Zucker, uma alta porcentagem — até 80% em um estudo de 44 meninos com disforia de gênero — crescem não para serem transgêneros, mas sim para serem adultos bissexuais, gays ou lésbicas. Assim, ajudar as crianças pré-púberes a se sentirem confortáveis em seu sexo de nascimento faz mais sentido do que começar uma vida de tratamentos hormonais e cirurgias que, com toda a probabilidade, serão desnecessárias e indesejadas.

E de Alice Dreger:

Eu vou dizer algo incrivelmente politicamente incorreto: alguns “pink boys” (meninos femininos) podem se beneficiar simplesmente de conhecer um homem afeminado — ou melhor ainda, dois ou três desses homens que podem mostrar-lhes que você pode crescer de um “pink boy” para um “pink man” e ter (ouso dizer isso?) uma vida fabulosa. Eu mesma conheci um terapeuta uma vez que me sussurrou em uma reunião que quando conheceu um “pink boy” “disfórico”, que parecia precisar desse tipo de “intervenção”, e foi exatamente o que ele forneceu (uma consulta de um colega). O objetivo era deixar o menino saber que até havia adultos como ele, homens que amam coisas “femininas” como roupas bonitas, Martha Stewart (e, um, homens), e que estão perfeitamente em casa com seus corpos e com eles mesmos. Por que você não pode ter (e manter) um pênis e amar coisas brilhantes? Muitos homens têm.
Perguntei a Sarah — que se envolveu com muitos pais em situações semelhantes às dela — sobre se ela achava se alguns pais procuravam o caminho transgênero para seus filhos, porque isso significaria que eles poderiam acabar passando de ter um filho gay para ter uma filha heterossexual. A homofobia estava motivando esses pais?

Outras fontes adotam uma forma mais forte e mais explícita desse argumento. A comunidade 4thWaveNow, que é declaradamente hostil às pessoas trans, faz essa alegação de longo alcance:

Além disso, um efeito colateral desta propaganda de transição pediátrica é a conversão proativa de pessoas jovens que se atraem por pessoas do mesmo sexo para heterossexuais cirurgicamente e hormonalmente fabricados. Sabe-se há décadas que a grande maioria dos jovens “disfóricos de gênero” resolve esses sentimentos e cresce para ser gay e lésbica.

Tal como faz a ativista anti-trans Stephanie Davies-Arai do Transgender Trend:

Está bem estabelecido que uma identidade sexual cruzada na infância é predominantemente preditiva de orientação sexual gay ou lésbica na idade adulta e não de transexualidade. Reforçar a identidade heterossexual do sexo oposto na infância é, portanto, efetivamente terapia de conversão gay por outro nome.

Esses pontos da discussão foram filtrados na sopa tóxica diária de comentários desinformados do Twitter sobre questões trans, com indivíduos anônimos lançando acusações de eugenia e “forçar a transição” de crianças:

e você está TRANSICIONANDO o gay para fora de seu filho, que, se deixasse ele/ela sozinhos/a, se identificaria bem felizmente com seu SEXO BIOLÓGICO e como gay/lésbica logo quando a puberdade estiver completa, o que acontece com até 90% das crianças identificadas como trans … você está transformando o seu filho em um EUNUCO
Eugenia gay e lésbica, com ênfase hoje na transição de meninas adolescentes como uma epidemia. A geração lésbica futura se extinguiu. Destransicionados estão aparecendo, busquem suas histórias. Eles não recebem amor da sopa de letrinhas LGBT.
Transicionar crianças é obviamente terapia de conversão. Conservadores não querem crianças gays porque são anormais & transicionam para terem crianças heterossexuais. Liberais não querem crianças gays porque não estão suficientemente na moda, trans é especial (portadores de Münchhausen). Abuso infantil em ambos os casos. (…) Eu acho que alguns pais prefeririam transicionar seus filhos do que terem uma criança homossexual.

Este argumento faz uma série de reivindicações contestáveis, e baseia-se em premissas que podem ser concretamente definidas, avaliadas e comprovadas ou refutadas. Uma revisão das evidências atuais revela que este não é um cenário plausível por vários motivos.

Não há evidências de que o tratamento de afirmação de gênero com bloqueadores de puberdade fará com que um adolescente esteja mais propenso a adotar uma identidade trans.

Se alguma forma de terapia de conversão está acontecendo, então a conversão aconteceria. Não parece ser o caso de tal conversão de identidade de gênero ser possível ou poder resultar do tratamento de afirmação de gênero. A equipe clínica na Holanda, que foi pioneira no uso de bloqueadores da puberdade para adolescentes trans afirmou que esses jovens recebem uma janela de tempo suficiente para experimentar sua própria puberdade precoce antes que os bloqueadores sejam administrados, ajudando a esclarecer se eles continuarão ou não continuarão a se identificar como trans (de Vries & Cohen-Kettenis, 2012):

Se os critérios de elegibilidade forem cumpridos, os análogos de hormônio de liberação de gonadotropina (GnRHa) para suprimir a puberdade são prescritos quando o jovem atinge o estágio Tanner 2–3 da puberdade; isso significa que a puberdade acabou de começar. A razão para isso é que nós assumimos que experimentar a própria puberdade é útil para o diagnóstico porque, logo no início da puberdade, fica claro se a disforia de gênero irá se abster ou persistirá.

Isso não é consistente com a alegação de que o tratamento é deliberadamente administrado para impedir a desistência de uma identidade trans. Além disso, os profissionais envolvidos no tratamento desses jovens geralmente não acreditam que o uso de bloqueadores da puberdade interfira ou altere sua identidade de gênero (Vrouenraets et al., 2015):

No entanto, embora a maioria dos informantes tenha concordado com o fato de que o tratamento com a supressão da puberdade pode de fato mudar a forma como os adolescentes pensam sobre si mesmos, a maioria deles não pensou que a supressão da puberdade inibe a formação espontânea de uma identidade de gênero que é congruente com o gênero atribuído após muitos anos tendo uma identidade de gênero incongruente. …
Vários endocrinologistas fizeram a comparação com a puberdade precoce; uma condição médica em que os bloqueadores da puberdade foram usados por muitos anos e nenhum caso de DG (disforia de gênero) foi descrito (pelo menos para o conhecimento deles). Além disso, a maioria enfatiza que eles deliberadamente começam o tratamento com a supressão da puberdade apenas quando os jovens chegaram ao estádio dois ou três de Tanner para dar-lhes pelo menos um tipo de “sentimento” com a puberdade antes de começar a supressão da puberdade

Mesmo se os bloqueadores da puberdade fossem administrados de forma deliberada e inadequada aos jovens cisgêneros, não há evidências de que o uso desse tratamento em jovens cis ofereça mudanças em seu desenvolvimento de identidade de gênero.

Também não há evidências de que as terapias de não-afirmação ou rejeição tornem uma criança ou adolescente menos propensos a adotar uma identidade trans.

Devita Singh trabalhou em estreita colaboração com o Dr. Ken Zucker na clínica de identidade de gênero infantil agora fechada da CAMH, que oferecia tratamento não-afirmativo para crianças pré-adolescentes de gênero não-conforme e transgêneros, com a intenção de ajudá-los a se tornarem “mais confortáveis” com o sexo atribuído. Embora o tratamento fosse adaptado ao caso individual de cada criança, seu objetivo clínico geral era prevenir a persistência de uma identificação cruzada de gênero e a disforia de gênero na adolescência, se possível, na esperança de evitar a necessidade de transição.

No entanto, a dissertação de 2012 de Singh reconhece explicitamente que atualmente não há evidências de que sua abordagem não-afirmativa reduza a probabilidade de que a disforia do gênero persista na adolescência ou que uma abordagem afirmativa torna essas crianças mais propensas a se tornarem adolescentes transgêneros (Singh, 2012):

Até o momento, não há consenso sobre a melhor abordagem de tratamento para crianças com Transtorno de Identidade de Gênero (TIG). Esta situação foi mantida pela escassez de dados empíricos sobre o tratamento e também, em parte, por divergências teóricas entre os clínicos quanto ao desenvolvimento da identidade de gênero e sua maleabilidade na infância. Como ponto de concordância, os proponentes tanto do modelo terapêutico como o de acomodação concordam que, se é evidente que um adolescente está comprometido com a transição, a abordagem de tratamento recomendada é fornecer terapia hormonal do sexo cruzado, a ser seguida de cirurgia, se desejar , na idade adulta. Infelizmente, o debate sobre terapêutica para crianças está longe de terminar principalmente devido à pouca atenção à pesquisa nessa área. Não houve estudos de resultados de tratamento rigorosos em crianças com TID e, certamente, sem ensaios randomizados de tratamento controlado que compararam os efeitos dessas abordagens terapêuticas sobre o resultado da identidade de gênero (Bradley & Zucker, 2003; de Vries & Cohen-Kettenis, 2012; Zucker, 2001a). Além disso, não houve estudos que compararam qualquer das diferentes abordagens de tratamento para TID para uma condição de nenhum tratamento. Além de resolver o debate, existe uma razão ainda mais importante para avaliar as abordagens de tratamento. Conforme observado anteriormente, a maioria das crianças com TID parece desistir em sua disforia de gênero na adolescência. Desconhece-se se as abordagens de tratamento acima mencionadas estão associadas a diferentes resultados a longo prazo (por exemplo, persistência versus desistência de TID, funcionamento psiquiátrico geral, ajuste psicossocial).

Singh reconhece ainda que atualmente não há evidências que apóiem uma hipótese de que tratamentos afirmativos fazem com que os jovens com disforia de gênero fiquem mais propensos a persistirem na sua disforia:

É uma questão empírica importante se essas variações de abordagem de tratamento entre as clínicas de Toronto e da Holanda contribuíram para a variação observada na porcentagem de crianças de cada clínica que persistem em sua disforia de gênero. É possível que uma abordagem terapêutica que se centre na resolução da disforia de gênero de uma criança possa resultar em uma maior probabilidade de desistência em comparação com uma abordagem que não conduz diretamente à disforia de gênero. Para resolver esta questão, estudos de tratamento sistemático com acompanhamento a longo prazo seriam necessários.

Ela também observa que “só se pode especular sobre os efeitos de tratamentos que visam a identidade de gênero, se houver efeitos”:

Na mesma linha, pode-se hipotetizar que permitir a transição social das crianças na infância possa ter o efeito de aumentar as chances de persistência na adolescência e na idade adulta. Sem dados comparativos empíricos sobre abordagens de tratamento, só se pode especular sobre os efeitos do tratamento sobre os resultados da identidade de gênero, se houver efeitos. Na avaliação de acompanhamento, os participantes no presente estudo foram perguntados se eles receberam tratamento anteriormente; no entanto, uma avaliação qualitativa dos dados da entrevista seria necessária para tirar conclusões substanciais, que estavam além do escopo do presente estudo. Ao mesmo tempo, pode-se comentar que algumas daquelas crianças que persistem no estudo receberam esforços de tratamento destinados a ajudá-las a resolver a sua disforia de gênero, enquanto que, em outros casos, muitas formas de intervenção não foram tentadas. O mesmo pode ser dito para aquelas que desistem.

Mesmo aqueles mais motivados em encontrar uma maneira de alterar a identidade de gênero final de uma criança não conseguiram encontrar evidências de que isso seja possível.

Além disso, as atitudes homofóbicas não estão associadas a atitudes trans-afirmativas — estão associadas à transfobia.

A motivação especulativa de homofobia dos pais — a preferência por uma criança transgênera heterossexual sobre uma criança gay ou lésbica cisgênera — é contraditória com estudos que mostram uma correlação de atitudes homofóbicas com atitudes transfóbicas. Norton & Herek (2013) descobriram que, entre os adultos heterossexuais nos Estados Unidos, os níveis mais elevados de preconceito contra pessoas gays, lésbicas e bissexuais estavam associados a visões cada vez mais negativas em relação às pessoas transgêneras:

Estando compartível com a Hipótese #1, as pontuações do termômetro para pessoas transgêneras e os quatro grupos minoritários sexuais foram altamente correlacionados. Para o termômetro transgênero, r (2276) = .80 com o termômetro dos homens gays, r (2277) = 67 com o termômetro lésbico, r (2280) = 84 com o termômetro dos homens bissexuais e r (2280) =. 66 com o termômetro de mulheres bissexuais (todo ps <0,001). As classificações de pessoas transgêneras foram correlacionadas negativamente com as pontuações no ATG e ATL (maiores pontuações ATG e ATL indicam maior preconceito sexual).

Contrariamente à noção de que os pais têm uma atitude mais positiva em relação às pessoas trans do que aos gays e lésbicas, a amostra do estudo exibiu uma visão ainda mais desfavorável das pessoas trans em comparação com os indivíduos LGB:

Os valores do termômetro sobre os sentimentos dos adultos heterossexuais dos Estados Unidos em relação às pessoas transgêneras foram fortemente correlacionadas com os escores de seus termômetros para alvos gays, lésbicas e bisexuais, embora seja digno de nota que as atitudes em relação às pessoas transgêneras foram significativamente mais negativas do que as atitudes em relação às minorias sexuais. As correlações significativas entre as classificações do termômetro transgênero e as pontuações nas escalas ATG e ATL — que, em contraste com os termômetros, se concentram na condenação e na tolerância dos homens gays e lésbicas (Herek 2009a) — fornecem mais evidências de uma forte ligação psicológica entre os dois domínios de atitude.

Os defensores da hipótese da “terapia de conversão” da transição juvenil responderam ao apontar o exemplo do Irã, onde a homossexualidade não é aceita, mas a transição de gênero é amplamente encorajada para os homossexuais. No entanto, isso não representa 99% do mundo que não adotou essa fatwa específica do Irã.

Disforia de gênero não tratada e falta de afirmação de gênero podem interferir no desenvolvimento da identidade sexual de uma pessoa trans.

Para as pessoas trans que não transicionaram, interações sexuais podem implicar ser desejada por um corpo no qual não se identifica ou ativamente não gosta. Pode significar que se seja esperado usar partes do corpo que causam disforia profundamente desconfortável. Aquelas pessoas com disforia não tratada podem experimentar o seu desejo sexual como um intruso indesejável e alienígena que é distrativo e desagradável, em vez de uma parte bem integrada de todo o ser. Elas podem experimentar a despersonalização, um estado de distanciamento dissociativo que pode prejudicá-las de sentir-se realmente envolvidas com o mundo ou com outras pessoas, deixando-as sem um senso de agência pessoal e sentindo-se como se estivessem apenas passando pelos movimentos de tudo ao seu redor (Steinberg et al., 1993). Numerosas pessoas trans relataram que sua incongruência corporal antes da transição interferiu diretamente com sua capacidade de ter uma experiência genuína de sua própria sexualidade e desejos (Doorduin & van Berlo, 2014):

Relatar um sentimento subjetivo de gênero cruzado de si mesmos durante grande parte de suas vidas, viver de forma não assumida, sair do armário e transicionar, tudo afeta enormemente as trajetórias e desenvolvimento da vida sexual dos participantes. Muitos participantes relataram pular etapas essenciais no desenvolvimento sexual, porque crescer com sentimentos transgêneros tornava difícil descobrir a sexualidade da maneira como muitos de seus pares cisgêneros faziam. Como Paul relatou:
“Eu não acho que eu tenha passado por um processo “normal” em termos de desenvolvimento sexual. Na puberdade [eu o evitava], descobrindo apenas em uma idade relativamente tardia que eu tinha na verdade algo como órgãos sexuais … Eu sabia, mas nunca descobri ou explorei fisicamente. Então eu acho que tive uma vaga experiência de descobrir isso.”
Ao passo que Paul fala sobre como evitar completamente a sexualidade durante a puberdade, todos os participantes (incluindo Paul) relataram que se masturbavam e a maioria teve relações sexuais antes de se assumir como transgênero. No entanto, eles frequentemente expressaram a sensação de que essas atividades sexuais não os aproximavam de aprender sobre seus próprios desejos sexuais, nem sentiram que poderiam praticar suas habilidades de maneira satisfatória em relação aos seus gostos e desgostos sexuais e dos seus parceiros.
Uma série de fatores dificultaram a obtenção dessas habilidades sexuais. Para alguns participantes, a sexualidade antes da transição não era realmente uma parte de suas próprias vidas mesmo que eles tenham tecnicamente participado, por se sentirem tão incongruentes com seus próprios corpos em relação ao gênero. Rosa, por exemplo, experimentou a sexualidade como algo instrumental: “O que ocorreu foi simplesmente o gerenciamento de uma reação física para criar uma criança. Instrumentalmente, é um mecânico que você coloca em ação. Eu sabia o suficiente sobre biologia para saber que meu corpo reage se você executar as ações corretas. […] Bem, isso não é sexualidade”.

Além disso, uma série de relatos de casos surgiram, sugerindo que, ao invés da juventude gay e lésbica cisgênera estar sendo pressionada para ser transgênero, os jovens transgêneros é que às vezes enfrentam a pressão dos clínicos para se identificarem como cisgênero e gay (Steensma & Cohen-Kettenis, 2015), com resultados insatisfatórios e atrasos desnecessários no tratamento.

Em última análise, esse argumento propõe uma forma inaceitável de terapia de conversão anti-trans por razões injustificáveis e sem benefícios claros.

Barrar o acesso a cuidados afirmativos para jovens a quem isso é indicado não fará com que a sua transgeneridade desapareça — ter negado o próprio tratamento necessário nunca fez uma pessoa trans menos trans. Em nome da falsa preocupação de que o tratamento de afirmação de gênero seja dado a crianças que não precisam disso, essas teorias populares de conspiração médica ameaçam comprometer o acesso a esse tratamento para as crianças que o necessitam, colocando-os em risco de disforia de gênero não tratada, assim como as suas muitas condições comórbidas, e inclusive o mesmo desenvolvimento sexual interrompido que esses conspiradores parecem temer.


Referências

  • de Vries, A. L. C., & Cohen-Kettenis, P. T. (2012). Clinical management of gender dysphoria in children and adolescents: the Dutch approach. Journal of Homosexuality, 59(3), 301–320. [Abstract]
  • Doorduin, T., & van Berlo, W. (2014). Trans people’s experience of sexuality in the Netherlands: a pilot study. Journal of Homosexuality, 61(5), 654–672. [Abstract]
  • Norton, A. T., & Herek, G. M. (2013). Heterosexuals’ attitudes toward transgender people: findings from a national probability sample of U.S. adults. Sex Roles, 68(11–12), 738–753. [Abstract]
  • Singh, D. (2012). A follow-up study of boys with gender identity disorder(Doctoral dissertation). [Full text]
  • Steensma, T. D., & Cohen-Kettenis, P. T. (2015). More than two developmental pathways in children with gender dysphoria? Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry, 54(2), 147–148. [Abstract] [Full text]
  • Steinberg, M., Cicchetti, D., Buchanan, J., Hall, P., & Rounsaville, B. (1993). Clinical assessment of dissociative symptoms and disorders: the Structured Clinical Interview for DSM-IV Dissociative Disorders (SCID-D). Dissociation, 6(1), 3–15. [Full text]
  • Vrouenraets, L. J. J. J., Fredriks, A. M., Hannema, S. E., Cohen-Kettenis, P. T., & de Vries, M. C. (2015). Early medical treatment of children and adolescents with gender dysphoria: an empirical ethical study. Journal of Adolescent Health, 57(4), 367–373. [Abstract]

(Originalmente postado em Gender Analysis.)


Zinnia Jones é uma pesquisadora trans, escritora e ativista e a criadora do blog Gender Analysis. O seu trabalho centra-se em ideias sobre sociologia transgênera, saúde pública, transfeminismo e filosofia analítica. Ela atualmente escreve para blogs no The Orbit e já apareceu na CNN, Democracy Now e Autostraddle. Zinnia vive em Orlando, Flórida, com sua esposa e dois filhos, e trabalha em marketing de conteúdo.