Esse é um poema sobre choro

Ultimamente, eu choro muito

Choro se quero, não quero, se lembro, se esqueço

Mas são lágrimas que não me dóem

Ardem os olhos, mas não corroem

É que eu choro mais quanto mais eu cresço

E quanto mais eu cresço mais eu choro

Mas agora é um choro cheio de mim

São rios cheios, não de uma gota só

Aquela gota oca

Sem gosto quando toca a boca

Esse choro caudaloso

Tem sabor de tristeza, de cansaço e de frio

Mas mesmo quando é silencioso,

Pelo menos não tem mais o sabor de vazio.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.