Votos: o amor é odisséia


"A arte é o amor tornado público" — Sense8

Vou dar um passo ousado aqui e compartilhar meus votos de casamento com o mundo.

Faz tempo que tenho um projeto chamado "Escreve-se Cartas de Amor". Gosto de escrever, gosto de cartas e entre os escritos que mais me orgulho estão algumas cartas de amor. Mas não é por isso que vou compartilhar os votos.

Vou compartilhar porque

acredito que cada amor representa muitos amores e que é possível que o que ressoa aqui ressoe também aí.

F. Pessoa me ensinou que "todas as cartas de amor são ridículas, mas mais ridículo é quem nunca escreveu uma carta de amor". Vai que, talvez, quem sabe, ao me expor eu encoraje você a se expor também e você diga assim, como quem não quer nada, umas palavras de amor soltas a alguém que você ame. E aí, quem sabe, a gente faz como o Jude, da música dos Beatles, e juntos deixamos esse mundo um pouco menos frio.

Well you know that it’s a fool
Who plays it cool
By making his world a little colder

Lá no casamento o Leo me falou que meus votos não eram jornada, não tinham só um down e um up e um desfecho, tinha vários, e que por isso era uma odisséia. E isso são relacionamentos, né? Hollywood conta jornadas de paixão e a gente dificilmente fica sabendo como é escovar os dentes todos os dias, acordar de cara amassada, ter uma noite perfeita sem que nada de mais aconteça, day-after-day-after-day. Aqui não.

Prepara que lá vem uma odisséia.


VOTOS

.

Era uma vez um passarinho que pousou num urso.

Era uma vez um urso que se fez ninho.

Eram um urso e um passarinho que decidiram ser ninho, ser árvore, ser casa, ser voo, ser parte um do outro.

Em uma das tantas conversas da nossa primeira vinda pra SP eu disse "mas nós somos tão diferentes", e tu respondeu " eu nos acho tão parecidos".

E somos - tão diferentes e tão parecidos.

Nas nossas semelhanças, encontro combustível.

Nas nossas diferenças encontro pouso, força e conforto.

Uma relação de opostos e complementos, feita de mar e magma.

***

Mais do que o amor da vida,

eu te escolho como o meu amor pra vida.

Pra construirmos casas quebrando paredes,

pra nos mudarmos toda vez que acharmos que "dessa vez ficamos",

pra sonharmos móveis, viagens e o próximo episódio da série da vez.

Te escolho pra ser meu sábado à noite e meus domingos de manhã.

Te escolho como meu companheiro oficial para zerar Netflix,

pra ter conversar profundas e piadas babacas.

Te escolho pra que eu continue falando poesia e tu respondendo PlayStation, e pra que a gente continue encontrando o nosso nós sem perder os nossos eus.

Te escolho com liberdade e como o meu convite pra que sejamos livres juntos.

Te escolho sem prometer que não vou errar,

mas prometendo que a cada pedra, a cada obstáculo, vou sempre procurar olhar também pelo teu lado e fazer o exercício de ir além de mim,

buscar o tu e o nós.

***

Te prometo a amizade antes de tudo.

A generosidade necessária para se compartilhar uma vida.

Ser tua lua forever orbiting.

Espectadora fiel do teu seriado particular.

E co-protagonista do nosso.

Te prometo o amor artesanal.

Made with our “bear” hands.

Sem pacotes prontos, sem deveres a priore, sem títulos e contratos.

Te prometo o amor talhado à mão, com atenção a cada corte e pincelada.

Te prometo o amor velejador,

atentos às marés e pronto para ajustar o curso com o virar dos ventos, mas comprometido sempre em continuar a navegar.

Te prometo um amor porto e alto-mar.

Será que devemos investir num barco?

***

Eu falava sobre a minha tatuagem do pássaro sem patas, “ um dia quero ter patas, cozinha, marido, cachorro”. Hoje existe cozinha, e cachorro, e marido. E patas. E asas.

E existem sonhos que ainda nem sei.

Rotinas que ainda nem descobrimos.

Prazeres do cotidianos ainda intocados.

Sabores, músicas, filmes, lugares.

Tantas coisas ainda pra vivermos juntos.

Uma empresa, uma cachorra e filhos ainda por criar.

Caminhos ainda por caminhar. Conversar ainda por ter.

Muitas festas ainda pra te achar o cara mais legal do lugar e passar a noite toda conversando contigo,

mesmo que essa seja a mesma coisa que fazemos todas as noites, Pinky.

Ainda temos muitos mundos pra conquistar.

***

Hoje caso com a nossa história, caso com o teu presente e com o teu futuro, desejando e convidando o teu futuro pra continuar dançando com o meu.

Nossa relação é pra mim a essência do que é a inexplicável alegria das coisas suficientes.

Não precisar desejar nada além do que já temos, já somos. E ter a certeza de que escrevermos juntos nossos próximos capítulos.

Casamos num outono nublado, numa cidade que foi casa quando éramos forasteiros. — E num momento onde tudo a nossa volta parecia dizer incerteza, reafirmamos nossa constante: nós.

E nos prometemos mais uma vez:

no matter what, we are home.

Leo,

Te amo — pijama e sófa.

Te amo domingos, feriados e até segundas-feiras.

Te amo de cara arrumada e de cara amassada.

Te amo nos bons dias para a ciência e também nos maus.

Te amo com cheiro de café e de perfume.

Te amo sonho e rotina.

Te amo presente e te amo futuro.

Te amo.

We are home.

22 de abril, 2017.

Dia do nosso casamento.

Touro com lua em peixes.