• Ah, você…

Ah, você… Eu sei lá menina, eu nunca quis te conhecer, nunca quis ser seu amigo. Eu nunca quis ser seu namorado. Nem seu ex, nem seu inimigo, nem porra nenhuma.

Ah, você… Te desprezei no primeiro momento que eu te vi, me incomodava você estar sempre olhando pra mim, era irritante não saber o porque você de você me olhar, e pensar tão distante.

Ah, você… Como pode existir uma pessoa tão carente ? O tempo que passávamos juntos pessoalmente, as vezes forçadamente não era o suficiente ? Eu nunca ficava sozinho, quando se tratava de você. Espera… Você tirou minha solidão? Como ousa ?

Ah, você… Se tornou um vício. Todo dia, eu estava ansioso pra te ver, eu queria dividir até as menores coisas do meu dia com você.Longe, sempre que alguma coisa acontecia, eu pensava:

O que será que ela vai achar disso, será que ela vai rir ?

Ah você… Caralho, seu sorriso. Como eu amava seu sorriso. Eu poderia ter dedicado minha vida toda a te fazer rir, rir com você era a melhor das sensações.

Ah você… Tinha um beijo maravilhoso, que ascendia, amor, tesão, paixão, luxúria até. Seu abraço era incrível. Sabe aquele abraço, que te aperta espiritualmente ? Que junta todos os pedaços quebrados da sua alma, e você só consegue suspirar ?

Ah, você… Você foi embora, eu te odiei. Não te quis de volta, não tentei ter você de volta. Só te odiei, mas eu não entendia. Quando eu também fui embora, você me encontrou de novo, mas nada é como um dia já foi, sabe o que dizem né ?

O pra sempre, sempre acaba…

Ah, você… Por mais que eu só pensasse em você, eu sempre soube. Como amigo, como namorado, que você não ia durar pra sempre. Sempre que pensava no futuro, tinha um monte de coisas que eram constante : Minha guitarra, meu colar dado pelo meu falecido irmão, meu violão. Mas eu não te enxergava no meu futuro, não dava.

Ah, você… Você ainda está aqui, sabe minha guitarra ? Joguei fora. Sabe o colar do meu irmão ? Enterrei do lado dele, no cemitério. Sabe meu violão ? Eu não sei. Agora, sempre que penso no meu futuro, você é a única constante. Mas não comigo, de longe, muito longe de mim, mesmo assim, você é constante. Você ainda está por lá. Não aqui, lá.

Ah, você…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.