as músicas mais tristes que eu ouvi em tempos

A Crow Looked at Me é o disco novo do Mount Eerie, nome artístico de Phil Elverum (que também já foi The Microphones), que deve sair no fim de março. É inteiro sobre a morte de sua esposa, Geneviève Castrée, que morreu de câncer no meio do ano passado. Um ano antes, ela havia sido diagnosticada pouco após dar à luz a filha do casal. Em seu bandcamp, ele conta que o disco foi “escrito e gravado no mesmo quarto em que Geneviève morreu, utilizando basicamente seus instrumentos, seu violão, seu baixo, sua palheta, seu amplificador, seu velho acordeão de família, escrevendo as letras em seus papéis, olhando para a mesma janela”.

A primeira música a aparecer, “Real Death”, é devastadora porque é simples, direta e verdadeira como poucas músicas que falam sobre perda. Não tem mensagem, não tem poesia (“quando a morte verdadeira entra na casa, toda poesia é boba”) e, principalmente, não tem lição. Como ele diz, “não quero aprender nada com isso”. Segura:

Death is real
Someone’s there and then they’re not
And it’s not for singing about
It’s not for making into art
When real death enters the house, all poetry is dumb
When I walk into the room where you were
And look into the emptiness instead
All fails

My knees fail
My brain fails
Words fail

Crusted with tears, catatonic and raw
I go downstairs and outside and you still get mail
A week after you died a package with your name on it came
And inside was a gift for our daughter you had ordered in secret
And collapsed there on the front steps I wailed
A backpack for when she goes to school a couple years from now
You were thinking ahead to a future you must have known deep down would not include you
Though you clawed at the cliff you were sliding down
Being swallowed into a silence that is bottomless and real

It’s dumb
And I don’t want to learn anything from this
I love you

Bom, mas contrariando o que diz na música, ele foi e fez arte sobre a morte. Ele explica no bandcamp: “fiz essas músicas e estou mostrando para o mundo para multiplicar minha voz dizendo que a amo. Quero que saibam disso”.

Ontem saiu mais uma música, “Ravens”, esta acompanhada de vídeo, também de cortar o coração. Há tempos não ouvia músicas tão tristes como estas. A morte é de verdade. Essas músicas são o retrato cru de alguém tentando lidar com ela.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.