Bom dia, se puder…

É muita tragédia pra pouca timeline. Não tem como se preocupar com tudo sem ser esquizo, sem se perder um pouco em cada caminho. Mas se preocupar com tudo é se preocupar com nada ao mesmo tempo, o mesmo nível de superficialidade (ok, o pensamento de superfície não cabe aqui).

A tragédia é que não avançamos, mas lutamos pra que não nos sejam tiradas as conquistas anteriores, básicas aliás. Nenhum direito a menos, é o que se deseja, mas em contrapartida, nenhum passo a mais é o que se consegue.

Uma máxima NEOLIBERAL ( → desculpe o caps lock mas em tempos de #‎ForaDilma é necessário frisar bem o nome certo desse boi imenso) é: enfraquecer pra conquistar: escolas fecham (Alckimin), direitos básicos são ameaçados por novos projetos de lei que pipocam a cada dia (Eduardo Cunha et.al.), crimes ambientais (Vale, Sabesp, Alckmin), fundamentalismo (Feliciano et.al.) e o monopólio midiático (Veja, Globo, Record) e seus filhos: o medo, o preconceito, o machismo… em suma a própria ignorância institucionalizada.

O estado neoliberal, essa ditadura continuada, mostra ao que veio e está aí, entranhado na política, no cotidiano, nos desejos, nos afetos… e como não poderia deixar de ser, estampado na rede.

Bom dia se puder…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.